Leia também:
X Prefeito de Porto Real é alvo de atentado a tiros em sua casa

PGR rebate “acusação vazia” de Miriam Leitão no jornal O Globo

Jornalista disse que o governo federal "neutralizou" a Procuradoria-Geral da República

Henrique Gimenes - 14/04/2022 15h07 | atualizado em 14/04/2022 15h34

Procurador-geral da República, Augusto Aras Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Nesta quinta-feira (14), a Procuradoria-Geral da República (PGR) rebateu um artigo publicado pela jornalista Miriam Leitão no jornal O Globo em que disse que o governo do presidente Jair Bolsonaro “neutralizou a PGR”.

Em um longo texto, o órgão afirmou que Miriam fez uma “acusação vazia” e que ela “desconsidera aspectos relacionados ao trabalho do Ministério Público Federal, que é de natureza jurídica e cujos limites técnicos estão previsto em leis e na própria Constituição Federal”.

Um dos pontos abordados pela coluna de Miriam Leitão foi as suspeitas de corrupção no Ministério da Educação (MEC). Para ela, a pasta ” foi ocupada por picaretas” e teve “pastores pedindo propina a prefeitos”; assim como o dinheiro do Fundo Nacional de Educação “sendo distribuído de forma fraudulenta”.

Ao falar sobre a situação, no entanto, a PGR disse que “os fatos são objeto de inquérito policial instaurado por requisição do procurador-geral da República. Requisição essa apresentada ao Supremo Tribunal Federal tão logo a PGR tomou conhecimento de representações enviadas ao órgão ministerial”.

Leia a nota da PGR:

A propósito do artigo Corrupção no Atual Governo, publicado pelo jornal O Globo nesta quinta-feira, a Secretaria de Comunicação do Ministério Público Federal esclarece:

Mais uma vez, o texto apresenta ilações e faz afirmações desconectadas da realidade e dos fatos. Ao afirmar que o governo “neutralizou a PGR”, a autora do texto faz acusação vazia, que desconsidera aspectos relacionados ao trabalho do Ministério Público Federal, que é de natureza jurídica e cujos limites técnicos estão previsto em leis e na própria Constituição Federal.

No caso de suspeitas de irregularidades do Ministério da Educação — um dos temas mencionados no artigo — cabe destacar que os fatos são objeto de inquérito policial instaurado por requisição do procurador-geral da República. Requisição essa apresentada ao Supremo Tribunal Federal tão logo o PGR tomou conhecimento de representações enviadas ao órgão ministerial.

Respeitar os prazos e regramentos que disciplinam o andamento de apurações, sejam elas de caráter penal ou cível, é obrigação de todos e condição para se assegurar os resultados pretendidos, quais sejam: a correta investigação e responsabilização de quem quer que tenha cometido atos ilícitos. É o que a atual gestão à frente da Procuradoria-Geral da República tem feito desde o início dos trabalhos.

Em relação a informações atribuídas à ONG Transparência Internacional (TI) sobre supostas preocupações com retrocesso no combate à corrupção no Brasil, o tema tem sido recorrente e já foi devidamente esclarecido pela PGR, inclusive, com dados da atuação. Além das respostas enviadas e já publicadas pela imprensa, o Relatório Transparência Internacional 2022 foi objeto de ofício enviado à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) pela Secretaria de Cooperação Internacional do MPF, em 30 de março.

O documento informa à entidade aspectos da atuação institucional do MPF, apresenta dados que rebatem as alegações da TI e deixa claro que o objetivo é “evitar a exposição indevida e midiática de instituições autônomas, independentes e essenciais para a democracia brasileira”, tal como ocorre no referido artigo jornalístico publicado nesta quinta-feira.

Finalmente, é de se estranhar que se continue dando crédito a documento elaborado por entidade que foi indevidamente indicada para participar do processo de destinação de R$ 2,3 bilhões a serem pagos pelo grupo econômico J&F como parte do acordo de leniência firmado com a unidade do MPF no Distrito Federal (PRDF). O fato, que é objeto de apuração na Corregedoria Nacional do Ministério Público vinculada ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), não se concretizou por causa das providências adotadas por Augusto Aras.

Leia também1 PSOL quer convocar Augusto Heleno após sigilo de Bolsonaro
2 Bolsonaro diz a seguidor que questionou sigilos: ‘Em 100 anos saberá’
3 Alvaro Dias: "CPI do MEC seria encenação e acabaria em pizza"
4 Planalto está desesperado com uma CPI do MEC, diz Randolfe
5 Web se une, denuncia "fraude" e pede a #CassacaoDoRandolfe

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.