Leia também:
X Criança é apreendida por vender drogas

PGR é a favor de ação de Jair Bolsonaro contra Jean Wyllys

Deputado do PSOL havia dito que o pré-candidato à Presidência teria lavado dinheiro da JBS. Ele pode responder por calúnia

Henrique Gimenes - 10/05/2018 20h42 | atualizado em 10/05/2018 20h58

PGR é a favor de prosseguimento de ação de Jair Bolsonaro contra Jean Wyllys Foto: Arte/Pleno.News

A Procuradoria-geral da República (PGR) se manifestou sobre uma ação do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) contra o também deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) por calúnia. Para Raquel Dodge, a ação deve ter prosseguimento no Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido de manifestação havia sido feito pelo relator do caso no Supremo, ministro Celso de Mello.

Jair Bolsonaro havia processado Jean Wyllys por calúnia e injúria. O caso em questão trata de uma entrevista dada pelo deputado do PSOL em agosto do ano passado em que se refere ao pré-candidato à Presidência como “fascista”, “burro”, “racista”, “ignorante”, “corrupto”, “canalha”, “desqualificado” e outros termos. Dodge descartou o crime de injúria devido à imunidade parlamentar.

No entanto, o deputado Jean Wyllys também disse na entrevista que Bolsonaro “ganhou dinheiro da JBS na conta, depositado na conta dele e o que ele fez, lavou esse dinheiro. Ele tirou da conta dele e devolveu para o partido e o partido, então, devolveu para conta dele, ou seja, ele fez uma lavagem de dinheiro. Agora querendo posar de honesto. Honesto coisa nenhuma, recebeu dinheiro de caixa 2, recebeu dinheiro de financiamento empresarial de campanha, não tente se vender agora como um cara honesto”. Neste caso, a PGR classificou que o trecho pode ser classificado como calúnia.

No dia 25 de abril, o STF decidiu arquivar um processo aberto pelo deputado Jean Wyllys contra Jair Bolsonaro devido à imunidade parlamentar.

Leia também1 Para líder judeu, ala do PSOL demonstra antissemitismo
2 Pesquisa aponta Bolsonaro em primeiro em cenário sem Lula

Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.