Leia também:
X “Com Ciro na Casa Civil, chance de impeachment vai a zero”

Petistas entram com notícia-crime no STF contra Braga Netto

Parlamentares pedem ainda que ação seja encaminhada a Alexandre de Moraes

Monique Mello - 23/07/2021 12h57 | atualizado em 23/07/2021 14h32

Deputados petistas Gleisi Hoffmann e Paulo Teixeira Foto: Reprodução

Na noite dessa quinta-feira (22), deputados federais do PT protocolaram notícia-crime no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Defesa, general Walter Braga Netto.

A ação foi motivada pelo suposto recado do general ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), de que não haverá eleições em 2022 se não houver voto impresso e auditável. A informação foi publicada pelo Estadão.

Os deputados petistas Elvino Bohn Gass, Paulo Teixeira e Gleisi Hoffmann apontam “graves atentados ao normal funcionamento das instituições, à democracia, ao estado democrático de direito e à ordem Constitucional”.

Os parlamentares pediram que o pedido seja encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, responsável pelo inquérito 4.871, que apura, entre outros fatos, a divulgação em massa de fake news contra o STF.

– São condutas que atentam contra a ordem institucional e democrática, na medida em que objetivaram subjugar a independência e a liberdade de funcionamento de Poderes da República e de seus integrantes – diz um trecho do documento enviado ao Supremo.

Os petistas também pedem abertura de procedimentos civis e administrativos, “com vistas a responsabilização, se houver, do noticiado, notadamente na seara da Improbidade Administrativa”.

 

Leia também1 Flávio Dino teria alertado Lula sobre possível atentado em 2022
2 Comissão da Câmara deve ouvir Braga Netto no dia 17 de agosto
3 Bolsonaro confirma Nogueira e afirma: "Eu sou do Centrão"
4 Gilmar: 'Não há espaço para coações autoritárias armadas'
5 União Bolsonaro e Centrão pode 'confundir' eleitores, diz Mourão

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.