Leia também:
X Randolfe aciona o STF para garantir ônibus grátis na eleição

Partido de Bolsonaro vai entrar no inquérito das fake news

Medida ocorre após o PL divulgar um documento criticando as urnas eletrônicas

Leiliane Lopes - 28/09/2022 20h34 | atualizado em 29/09/2022 11h22

Fachada do prédio do Tribunal Superior Eleitoral
Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Foto: Divulgação/TSE

O Partido Liberal (PL) será incluído no inquérito das fake news a pedido do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Alexandre de Moraes, por ter duvidado das eleições.

Nesta quarta-feira (28), a legenda divulgou o resultado de uma auditoria que criticava a gestão de segurança da informação do TSE, apontando “vulnerabilidades relevantes” que poderiam comprometer o processo eleitoral.

O documento compartilhado pelo partido do presidente da República apontou 24 falhas nos sistemas de tecnologia da informação da Justiça Eleitoral.

O TSE prontamente se defendeu e, por meio de nota, classificou o documento como fraudulento.

– As conclusões do documento são falsas e mentirosas, sem nenhum amparo na realidade, reunindo informações fraudulentas e atentatórias ao Estado Democrático de Direito e ao Poder Judiciário – diz a nota.

Além de incluir o partido no inquérito, Moraes também enviará o caso para a Corregedoria-Geral Eleitoral pedindo a instauração de um procedimento administrativo contra a legenda.

Nesse processo, será apurada a utilização de recursos do Fundo Partidário para tumultuar o processo eleitoral. Caso seja condenado, o PL poderá ter o repasse de recursos públicos suspensos.

Leia também1 Moraes autoriza campanha de varíola dos macacos
2 PL publica documento com críticas às urnas eletrônicas
3 Moraes não proibirá mesários de usar camisa da Seleção, diz site
4 Eleitor pode ir votar de verde e amarelo, bandeiras e adesivos
5 Valdemar Costa Neto afirma que sala secreta "agora é aberta"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.