Leia também:
X Flávio Bolsonaro diz que Witzel é psicopata e mentiroso

Parlamentares não querem plantio de maconha medicinal

De acordo com o deputado Marco Feliciano, presidente Jair Bolsonaro deve vetar a proposta se for aprovada

Pleno.News - 31/08/2020 20h49 | atualizado em 31/08/2020 21h03

Deputado Osmar Terra, deputada Bia Kicis, ministro da Justiça André Mendonça e,o senador Eduardo Girão Foto: Reprodução

Nesta segunda-feira (31), um grupo de parlamentares decidiu se mobilizar contra a votação de um Projeto de Lei que pode liberar a plantação da maconha medicinal no Brasil. Os deputados Osmar Terra (MDB-RS) e Bia Kicis (PSL-DF), mais o senador Eduardo Girão (Pode-CE) tiveram um encontro com o ministro da Justiça, André Mendonça, para tratar do tema.

O encontro foi compartilhado por Bia Kicis em suas redes sociais, que reforçou uma campanha sobre o projeto: #PL399Nao.

– Hoje estivemos com o ministro da Justiça, André Mendonça, eu, o senador Eduardo Girão e o deputado Osmar Terra para levarmos nossa preocupação com o PL 399/15, que visa a liberação de plantio de maconha para fins medicinais. Temos outras soluções que atendem aos doentes. #PL399Nao – escreveu.

Mais cedo, a psicóloga Marisa Lobo disse ter conversado com o deputado Marco Feliciano sobre o tema.

– Conversei hoje com o deputado Marco Feliciano que me garantiu que NÃO passa na Câmara, a legalização do plantio da Maconha, e se passar o presidente Jair Bolsonaro veta. Como coordenadora do movimento nacional Maconha Não, manifesto nosso apoio total aos deputados #NÃOaPL366-2015 – escreveu.

Leia também1 Flávio Bolsonaro diz que Witzel é psicopata e mentiroso
2 Bolsonaro está com cálculo renal e passará por cirurgia
3 PSL oficializa Joice como candidata à Prefeitura de SP
4 Mario Frias tem encontro com Jair Renan Bolsonaro
5 "STF se acha o dono do Brasil", dispara André Fernandes

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.