Leia também:
X Em nota pública, Terça Livre anuncia fim de suas atividades

Para ministros do STF, relatório da CPI é ‘fraco’, diz colunista

Integrantes do Supremo consideram que não há elementos para comprovar o cometimento de crimes por Bolsonaro

Pleno.News - 27/10/2021 17h50 | atualizado em 27/10/2021 18h30

Presidente da República, Jair Bolsonaro Foto: Agência Brasil/Valter Campanato

Após seis meses de trabalho, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid encerrou seus trabalhos ao aprovar um relatório pedindo o indiciamento de duas empresas e de 78 pessoas, entre as quais está o presidente Jair Bolsonaro.

No entanto, de acordo com a colunista Carolina Brígido, do portal Uol, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) consideram que o relatório é “fraco” e não possui elementos para comprovar o cometimento de crimes por Bolsonaro.

Na peça, Bolsonaro é acusado de nove crimes: prevaricação; charlatanismo; epidemia com resultado morte; infração a medidas sanitárias preventivas; emprego irregular de verba pública; incitação ao crime; falsificação de documentos particulares; crime de responsabilidade e ainda crimes contra a humanidade.

Contudo, à colunista, um integrante do STF informou que o suposto crime de Bolsonaro que teria indícios mais consistentes seria o de omissão por atrasos na vacinação contra a Covid-19, mas que seria preciso provar que o Brasil atrasou a imunização.

Nesta quarta-feira (27), um grupo de parlamentares entregou o relatório final ao procurador-geral da República, Augusto Aras, e ao ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Leia também1 Alexandre de Moraes recebe relatório final da CPI da Covid
2 CPI da Covid: Parlamentares entregam relatório final a Aras
3 Veja como votou cada senador sobre o relatório final da CPI
4 Bolsonaro diz que CPI prejudicou visão sobre o Brasil no exterior
5 CPI aprova relatório final com 80 pedidos de indiciamento

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.