Leia também:
X Bolsonaro anuncia cooperação de Israel para ‘spray nasal’

Lira: Bolsonaro ‘não extrapolou limites’ com decreto de armas

Presidente da Câmara afirmou que a edição do decreto é prerrogativa do presidente da República

Henrique Gimenes - 15/02/2021 14h26 | atualizado em 15/02/2021 15h37

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), comentou nesta segunda-feira (15) os decretos do presidente Jair Bolsonaro que alteraram algumas regras relacionadas a armas de fogo no Brasil. Em entrevista à jornalista Andréia Sadi, da GloboNews, o parlamentar avalia que a edição do decreto é uma prorrogativa do presidente e que Bolsonaro “não invadiu a competência” do Poder Legislativo.

A declaração ocorre após o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), criticar as mudanças promovidas na questão das armas e afirmar que a medida deveria ser promovida por um projeto de lei.

Para Lira, no entanto, Bolsonaro “não extrapolou limites” e qualquer excesso pode ser corrigido.

– Ele não invadiu competência, não extrapolou limites, já que, na minha visão, modificou decretos já existentes. É prerrogativa do presidente [fazer isto]. [Ele] Pode ter superlativado na questão das duas armas para porte, mas isso pode ser corrigido – ressaltou Lira.

O presidente da Câmara também foi questionado sobre qual deveria ser a prioridade do governo no momento atual.

– É de cada um. É pauta dele. A minha prioridade eu já deixei claro que é vacina – destacou.

Leia também1 Bolsonaro: Povo está 'vibrando' com novo decreto de armas
2 Freixo anuncia ações para tentar barrar decretos de armas
3 Governo federal altera decreto, e flexibiliza compra de armas
4 Pacheco, Lira e Guedes falam em 'novo marco fiscal' para o auxílio
5 Lira defende agilidade da Anvisa na liberação de vacinas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.