Leia também:
X Novo fechamento do comércio causa protestos em Manaus

Para juíza, prisão domiciliar de Crivella pode não ser suficiente

Segundo desembargadora, pedidos de soltura "fecham os olhos para os crimes do colarinho branco"

Thamirys Andrade - 26/12/2020 16h52 | atualizado em 28/12/2020 14h50

Ex-prefeito é acusado de envolvimento com organização criminosa e lavagem de dinheiro Foto: Prefeitura do Rio/Marco Antônio Rezende

A desembargadora Rosa Helena Macedo enviou nesta quarta-feira (23) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) esclarecimentos sobre os motivos que a levaram a decretar a prisão preventiva de Marcelo Crivella (Republicanos).

Segundo a magistrada, a prisão domiciliar pode não ser suficiente para impedir que o prefeito afastado do Rio cometa crimes, e os argumentos da defesa para sua soltura são equivalentes a “fechar os olhos à realidade dos chamados crimes do ‘colarinho branco'”.

No documento de 11 páginas enviado ao ministro Humberto Martins, Rosa Helena resume todas as provas que apontariam o envolvimento de Crivella com o QG da propina. Ela reitera que a prisão se mostrava necessária, pois o ex-prefeito havia tentado obstruir as investigações ao entregar um celular falso à Justiça, de acordo com laudos da perícia.

– Se o paciente não tivesse nenhum envolvimento com o ilícito, não teria entregue ao Oficial de Justiça, quando do cumprimento do mandado de busca e apreensão em sua casa, um aparelho de telefone celular que não lhe pertencia […]. O Sr. Prefeito, a um só tempo, não só reforçou, com tal proceder, os indícios de autoria na sua pessoa, como também demonstrou a sua clara intenção em obstruir a colheita da prova – escreveu a magistrada.

A decisão também foi fundamentada em provas de que a organização criminosa estaria pressionando os empresários a apagarem os vestígios dos crimes e a manterem os pagamentos de propina, e de que o término do mandato do prefeito não impediria atos de lavagem de dinheiro.

– Trata-se, portanto, de fundamentos concretos e objetivos, todos eles calcados em fatos recentemente ocorridos e absolutamente documentados nos autos, não havendo que se falar em ilações, presunções ou em antecipação de pena, como alegam os impetrantes [advogados de Crivella] – afirmou.

PRISÃO DOMICILIAR
Para a desembargadora, a prisão domiciliar e a suspensão dos aparelhos eletrônicos podem não ser suficientes.

– [O ex-prefeito está] em contato com familiares que dispõem livremente de meios de comunicação próprios, os quais podem lhe ser momentaneamente cedidos. Sem contar a possibilidade de entrega por meio de delivery, dentre tantas outras hipóteses possíveis – externou a desembargadora.

A defesa de Crivella optou por não se manifestar sobre o despacho da magistrada.

Os esclarecimentos foram uma resposta a uma solicitação do presidente do STJ, ministro Humberto Martins, responsável pode transformar a detenção de Crivella em regime monitorado por tornozeleira eletrônica.

Leia também1 Bolsonaro quer vetar facilitação de venda de terras a estrangeiros
2 Jair Bolsonaro vai a lotérica e toma café em padaria de Brasília
3 SP deve divulgar eficácia da CoronaVac até 7 de janeiro
4 Por meio de nota, Fux lamenta assassinato de juíza
5 Gilmar defende vacinação 'urgente' contra Covid

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.