Leia também:
X Megaoperação policial cumpre 212 mandados contra o PCC

Ouro e 15 diamantes que eram de Sérgio Cabral vão a leilão

Ex-governador cumpre pena de mais de 280 anos por crimes de corrupção

Paulo Moura - 28/07/2020 09h11

Diamantes e ouro que pertenciam a Sérgio Cabral serão leiloados Foto: Reprodução

Diamantes e barras de ouro que pertenciam ao ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, estão disponíveis em um leilão que foi determinado pela Justiça. Ao todo, são 15 pedras preciosas e cinco barras de ouro avaliadas, no total, em cerca de R$ 3 milhões. O mais caro dos itens, uma pedra de diamantes de 4,06 quilates, está avaliada em R$ 308 mil.

Segundo o colunista Ancelmo Gois, o leilão foi determinado pelo juiz Marcelo Bretas, responsável por julgar os casos da Lava-Jato no Rio, e autorizado também pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad).

Itens valiosos de Cabral vão a leilão Foto: Reprodução/TV Globo

O certame é conduzido on-line pela De Paula Leilões. O lance mínimo é o valor da avaliação, mas serão aceitas ofertas com 80% do preço, caso não apareça nenhum interessado. Ou seja, os lances iniciais podem variar entre R$ 52,6 mil a R$ 246,5 mil para arrematar, respectivamente, uma pedra de diamante com 2,05 quilates e outra com 4,06 quilates.

Acumulado através da obtenção de propinas, os itens estavam na Suíça, quando foram localizados e repatriados depois da delação premiada dos doleiros Marcelo e Renato Chebar, que administravam os recursos do político fora do Brasil. Cabral foi preso em novembro de 2016 e a pena a cumprir chega a 282 anos.

Leia também1 Bolsonaro aprova prorrogação da validade de receita médica
2 MEC abre as inscrições para o Fies nesta terça-feira
3 Megaoperação policial cumpre 212 mandados contra o PCC
4 Toffoli aceita pedido de Witzel para "atrasar" impeachment
5 Damares anuncia reforço nas ações de combate à pedofilia

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.