Leia também:
X Ansioso pelo momento histórico, diz Feliciano sobre Hang na CPI

Omar Aziz diz que Queiroga agiu como “um marginalzinho”

Para o senador, não há diferença entre os dois

Pierre Borges - 27/09/2021 17h18 | atualizado em 27/09/2021 17h26

Senador Omar Aziz, presidente da CPI da Covid Foto: Agência Senado/Edilson Rodrigues

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, senador Omar Aziz, afirmou nesta segunda-feira (27) que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, agiu como “um marginalzinho” nos Estados Unidos, quando mostrou o dedo médio para manifestantes que protestavam contra o governo em Nova York.

– O Queiroga, que é medico, ele dá “cotoco” lá, nos Estados Unidos, para as pessoas; mostra o dedo do meio. Veja bem, olha o ministro da Saúde! Você espera isso de um marginalzinho, de uma pessoa sem qualificação nenhuma, mas de um ministro de Estado? Qual a diferença entre eles dois [ministro e marginal]? Nenhuma – disse Aziz durante o programa Oito em Ponto, da Rádio Cultura.

Ele também criticou que o ministro obedeça às ordens de Bolsonaro.

– O presidente manda o cara estudar: “Olha, estuda aí se já pode tirar a máscara”, ele abre [o estudo]. É um cara “sim, senhor; não, senhor” – apontou.

O gesto citado por Aziz foi feito por Queiroga na noite da última segunda-feira (20) durante a saída da comitiva presidencial de uma recepção na residência da missão brasileira junto à Organização das nações Unidas (ONU).

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Oito Em Ponto (@8emponto)

Leia também1 Ansioso pelo momento histórico, diz Feliciano sobre Hang na CPI
2 Âncora bilionário da CNN não deixará herança para o filho
3 Malta revela que Doria chorava por Bolsonaro: 'Tenho áudios'
4 Papa Francisco: "Somos vítimas da cultura do descarte"
5 A estrutura de dissertações-argumentativas e a importância da redação no vestibular

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.