Leia também:
X Rio reduz ICMS sobre gasolina, que vai para R$ 6,61

Novo deve ingressar com ação no STF contra PEC dos benefícios

Presidente da sigla afirmou que o setor jurídico do partido já está trabalhando na tese que será apresentada ao Supremo

Pleno.News - 01/07/2022 13h32 | atualizado em 01/07/2022 14h53

Sede do Supremo Tribunal Federal Foto: STF/SCO/Dorivan Marinho

O Partido Novo deverá ingressar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que concede uma série de benefícios sociais, aprovada na quinta-feira (30) no Senado. A expectativa é que a proposta passe também na Câmara, ainda neste mês, antes do recesso parlamentar, a partir de 18 de julho.

– Nosso jurídico já está trabalhando na tese, mas é impressionante a velocidade com que o Congresso faz remendos casuísticos, e ao mesmo tempo é de uma letargia também impressionante quando se trata das reformas estruturais – informou o presidente nacional do Novo, Eduardo Ribeiro, em nota divulgada à imprensa.

APROVAÇÃO DA PEC
Com amplo apoio, o Senado aprovou nesta quinta-feira (30), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que amplia uma série de benefícios sociais. Após uma negociação com o MDB e o governo, Bezerra incluiu na PEC um auxílio-gasolina de R$ 200 por mês a taxistas, com custo de R$ 2 bilhões, e a destinação de R$ 500 milhões ao programa Alimenta Brasil.

Além disso, a PEC já previa zerar a fila de espera do Auxílio Brasil e aumentar o valor do programa social de R$ 400 para R$ 600 até o final do ano. Outra medida é a instituição de um auxílio de R$ 1 mil por mês para caminhoneiros e um reajuste no valor do auxílio gás.

Todas as medidas valem apenas até o final do ano e serão feitas por meio da abertura de créditos extraordinários. Bezerra chegou a citar R$ 26,6 bilhões de outorgas da Eletrobras como opção para custear parte da proposta, além de repasses de dividendos, estimados entre R$ 20 bilhões e R$ 30 bilhões, mas não há vinculação a nenhuma receita específica.

Na votação no Senado, foram 72 votos a favor no primeiro turno e 67 no segundo. Serra foi o único a votar contra nos dois turnos. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados.

*AE

Leia também1 "O PT não vai chegar tão cedo ao poder", afirma Bolsonaro
2 Mourão condena Guimarães: "Na parte moral, falhou. Falhou feio"
3 Blogueira manda "dar susto" no ex que a traiu, mas ele é morto
4 Lula diz que não cogita disputar reeleição em 2026: “Só 4 anos”
5 Delatoras de Melhem enviam carta a funcionárias da Caixa

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.