Leia também:
X PTB decide enviar convite formal a Jair Bolsonaro para filiação

Novo Código Eleitoral permite propaganda política em igrejas

O texto foi aprovado na Câmara e tramita no Senado

Thamirys Andrade - 08/10/2021 14h03 | atualizado em 08/10/2021 15h26

[Imagem ilustrativa] Foto: Reprodução
O Novo Código Eleitoral, aprovado em setembro pela Câmara dos Deputados, inclui dispositivos que permitem propagandas políticas em igrejas e universidades.

Entre os 898 artigos da proposta, há ao menos dois que abrem essa possibilidade aos templos religiosos. É o caso do artigo 483, parágrafo 3°:

– Com o intuito de assegurar a liberdade de expressão, as manifestações proferidas em locais em que se desenvolvam atividades acadêmicas ou religiosas, tais como universidades e templos, não configuram propaganda político-eleitoral e não poderão ser objeto de limitação – diz a proposta.

O artigo 617 também aborda o tema, ao sustentar que “não configura abuso de poder a emissão, por autoridade religiosa, de sua preferência eleitoral, nem a sua participação em atos regulares de campanha, observadas as restrições previstas nesta Lei”.

Aprovado pela Câmara, o Novo Código Eleitoral atualmente tramita na Comissão de Constituição de Justiça, do Senado Federal. O texto, contudo, não valerá para as eleições de 2022, pois, para isso, já deveria ter sido sancionado antes de 2 de outubro.

Atualmente, a propaganda política em igrejas é proibida pela Justiça Eleitoral. No caso de universidades, problemas judiciais devido a esse tema são mais raros.

Leia também1 Ex-estagiária de Lewandowski pede desculpas ao ministro
2 STF contrata Mário Cortella para realizar palestra de autoajuda
3 Bolsonaro pede para diplomatas mostrarem inflação fora do país
4 STF: Moraes dá 30 dias para a PF tomar depoimento de Bolsonaro
5 Bolsonaro defende flexibilização de normas trabalhistas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.