Leia também:
X STJ suspende processo contra Flávio por suposta rachadinha

Nova regra eleitoral pode barrar candidatura de Moro em 2022

Medida estabelece que ex-juízes só poderão concorrer a um cargo eletivo caso tenham deixado a função há pelo menos 5 anos

Paulo Moura - 25/08/2021 13h40 | atualizado em 25/08/2021 13h57

Ex-ministro Sergio Moro sai em defesa de Fachin
Ex-ministro da Justiça, Sergio Moro Foto: Reprodução

Cotado como um dos possíveis candidatos à Presidência da República em 2022, o ex-ministro de Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, pode ser impedido de concorrer no próximo ano caso a versão do novo Código Eleitoral, apresentada nesta quarta-feira (25), seja aprovada até o próximo mês de outubro. O motivo é uma regra que limita a participação de ex-juízes nos pleitos.

De acordo com o texto apresentado nesta quarta pela deputada Margarete Coelho (PP-PI), relatora da medida, os magistrados e membros do Ministério Público que desejaram se candidatar a um cargo eletivo terão que estar afastados definitivamente de suas funções jurídicas pelo menos cinco anos antes do pleito.

Na prática, isso significa que, caso o texto seja aprovado da forma como foi apresentado pela parlamentar, Sergio Moro e outros ex-integrantes da Lava Jato não poderão disputar as eleições de 2022. No caso de Moro, por exemplo, a candidatura a um cargo político só poderá ocorrer a partir do pleito de 2024, já que a exoneração do ex-juiz ocorreu em novembro de 2018.

Além desta mudança, o texto contém diversas outras alterações à legislação atual. Entretanto, para entrar em vigor para as eleições de 2022, a regra precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado até o início de outubro, ou seja, um ano antes do próximo pleito.

Leia também1 PF transforma Lamborghini apreendida em 'superviatura'
2 Presidente Bolsonaro participa de solenidade do Dia do Soldado
3 Relatório aponta que chineses são pagos para espionar cristãos
4 Crise? Globo cancela novela das 6 e nova temporada de Malhação
5 MPF abre investigação sobre ensaio com a proxalutamida

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.