Leia também:
X Maia critica decisão de Fux sobre o juiz de garantias

Na Cultura, Regina ganhará 14% do que recebe na Globo

Se aceitar proposta do governo, atriz terá que suspender seu contrato com a emissora

Pleno.News - 22/01/2020 21h18 | atualizado em 29/01/2020 21h49

Regina Duarte Foto: Reprodução

A atriz Regina Duarte disse que não definirá nesta quarta-feira (22) se aceitará o convite do presidente Jair Bolsonaro para assumir a Secretaria de Cultura do governo. Ao ser convidada, na semana passada, Regina disse estar noivando com o governo.

No início desta tarde, ao chegar a Brasília para encontrar novamente Bolsonaro, disse que era preciso ir “com tempo”.

– Não, hoje não. Ei, pera aí, noivado é noivado. Vou continuar conversando, noivando – disse a atriz, escoltada por funcionários do governo ao deixar o aeroporto de Brasília pela área de serviço.

Indagada sobre quais os termos para que o noivado fosse convertido em casamento, respondeu apenas que a pergunta era complicada e minimizou a importância sobre a secretaria voltar a ser ministério.

– Não acho importante falar disso neste momento – afirmou a atriz.

Ela disse ainda ter “uma porção de coisa” para ajustar na área cultural, mas sem entrar em detalhes.

A atriz programou um período de teste em Brasília a partir desta quarta para decidir se aceita a nomeação no lugar de Roberto Alvim, demitido por ter copiado frases de Joseph Goebbels, ministro de Hitler na Alemanha nazista, em um vídeo no qual anunciava um edital suspenso por ordem do governo.

Além de Bolsonaro e Regina, participaram do almoço o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, e o jornalista Alexandre Garcia. No encontro, segundo relatos feitos à Folha de S.Paulo, o presidente garantiu à atriz que, caso ela aceite o convite, terá liberdade para trocar toda a equipe do órgão federal.

Para deixá-la mais à vontade, foi anunciada nesta quarta-feira a exoneração do secretário-adjunto, José Paulo Soares Martins, que ocupava o posto desde 2016. Para o seu lugar, Regina avalia o nome do ator Carlos Vereza, que também é simpático ao governo e é considerado um plano B de Bolsonaro caso a atriz não aceite o cargo.

Na sequência, Regina se reuniu no gabinete do ministro da Secretaria de Governo com Jorge Oliveira (Secretaria Geral) e Marcelo Álvaro Antônio (Turismo).

O governo estuda fazer nova modificação na Secretaria de Cultura e transferi-la do Ministério do Turismo para a Presidência da República. Inicialmente, o órgão era vinculado ao Ministério da Cidadania, chefiado por Osmar Terra.

Se aceitar o comando da Secretaria Especial da Cultura, Regina terá que suspender seu contrato com a Rede Globo. No novo cargo, ela receberá R$ 17.327,65, salário mensal de um cargo de natureza especial, nome técnico da vaga nas classificações de funções em Brasília.

De acordo com João Batista Jr., colunista da revista Veja, Duarte tem o salário fixo de R$ 60 mil na Globo, que muda para R$ 120 mil quando ela ‘está no ar’. Aos 72 anos de idade, Regina não participa de uma novela desde março de 2018.

*Folhapress

Leia também1 Globo diz que negocia fim de contrato com Regina Duarte
2 Regina Duarte almoça com Jair Bolsonaro em Brasília
3 Governo suspende edital do Prêmio Nacional das Artes
4 Bolsonaro diz que está "com saudade" de Regina Duarte
5 Regina Duarte diz que está 'de corpo e alma' com Bolsonaro

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.