Leia também:
X Lula pode conceder entrevista na próxima semana

Na CCJ, Maria do Rosário se descontrola e causa tumulto

Deputada petista se exaltou e ouviu resposta afiada do presidente da comissão

Camille Dornelles - 24/04/2019 11h11 | atualizado em 24/04/2019 12h07

Na noite desta terça-feira (23) houve tumulto entre os parlamentares presentes na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) sobre a reforma da Previdência. Um dos momentos de maior tensão foi em um embate entre algumas deputadas do PT e do PSOL e o presidente da comissão, Felipe Francischini (PSL-PR).

Maria do Rosário (PT-RS) pediu questão de ordem, mas foi interrompida por Francischini e outros, e seu microfone foi cortado. Neste momento, ela se exaltou e começou a gritar. Depois, foi até à mesa do presidente e apontou o dedo para ele, afirmando que o líder só quis atrapalhar sua fala.

As deputadas Gleisi Hoffmann (PT-PR), Erika Kokay (PT-DF) e Talíria Petrone (PSOL-RJ) se uniram a Rosário e aumentaram o tumulto na sessão. Elas começaram a gritar na frente da mesa da CCJ.

– Não aponte o dedo para mim porque eu não sou moleque. Sentem-se e controlem-se – retrucou Francischini.

Depois do tumulto, as parlamentares foram dispersadas e voltaram aos seus lugares.

– PT e PSOL tentam bagunçar a CCJ. Não conseguiram. Repare que só as deputadas vão até o presidente, nenhum parlamentar homem vai. É tudo arquitetado, pois caso alguém caísse na provocação, elas se vitimizariam dizendo que foi uma ofensa contra uma mulher – comentou Eduardo Bolsonaro.

 

Leia também1 Após 9 horas, CCJ vota a favor da reforma da Previdência
2 Relator anuncia alterações em parecer da Previdência
3 Manuela D'Ávila passa vexame após criticar Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.