Leia também:
X Em Itaipu, Silva e Luna cortou custos e militarizou empresa

MP arquiva inquérito contra ex-ministro Abraham Weintraub

Inquérito apurava crime de racismo cometido contra chineses

Henrique Gimenes - 24/02/2021 14h32 | atualizado em 24/02/2021 15h52

Ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

O Ministério Público Federal (MPF) decidiu arquivar um inquérito contra o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, por declarações feitas contra chineses em 2020. Ele era suspeito do crime de racismo. Mas, no final das investigações, a Polícia Federal (PF) decidiu não indiciar o ex-ministro.

Com base no relatório da PF, a Procuradoria da República no Distrito Federal decidiu pelo arquivamento.

Na época, Abraham Weintrub fez uma publicação, em suas redes sociais, para criticar a China e utilizou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica. A maneira como o ex-ministro escreveu texto fez uma associação com o sotaque dos chineses ao falarem português. E o embaixador da China, Yang Wanming, chamou o ex-ministro de racista, que acabou apagando a publicação.

A investigação havia sido aberta no Supremo Tribunal Federal (STF) porque, na época da declaração, Weintraub ocupava o cargo de ministro. Quando ele deixou o governo, no entanto, o caso foi enviado à primeira instância.

A conclusão presente no documento é do delegado da Superintendência da PF do Distrito Federal, Francisco Vicente Badenes Júnior, que disse não ter elementos suficientes para indiciar Weintraub pelo crime de racismo.

Leia também1 Jefferson 'detona' campanha de ONG com "foto de Bolsonaro nu"
2 Weintraub exibe conversa com Silveira "para evitar mentiras"
3 Abraham Weintraub afirma que "toparia" entrar para a política
4 Weintraub: 'Querem Felipe Neto como referência para educação'
5 Weintraub vence processo contra o presidente da UNE

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.