Leia também:
X Prevent Senior afirma que o dossiê da CPI foi ‘manipulado’

Mourão: Rosário deu ‘aloprada’ na CPI após ser alvo de deboche

Vice-presidente deu declarações nesta quarta-feira

Ana Luiza Menezes - 22/09/2021 16h09 | atualizado em 22/09/2021 19h53

Vice-presidente Hamilton Mourão Foto: VPR/Adnilton Farias

Nesta quarta-feira (22), o vice-presidente Hamilton Mourão comentou o atrito entre o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, e a senadora Simone Tebet.

Segundo Mourão, Rosário “deu uma aloprada” na comissão após ser alvo de “deboche” de parlamentares.

– É aquela história, o cara lá [Rosário] não estava submetido a um interrogatório. Ali, tem uns com mais paciência para aguentar os desaforos que são ditos ali. E outros que não têm. O Wagner aguentou até determinado ponto e, em outros pontos ali, deu uma aloprada, que acho perfeitamente normal uma pessoa reagir. Tem que ter muito sangue frio para aguentar o deboche que muitas vezes é colocado ali. Conheço bem o Wagner e é uma pessoa séria – disse o vice-presidente.

Mourão deu declarações a jornalistas, ao chegar ao Palácio do Planalto.

A sessão da CPI da Covid-19 de terça-feira (21) foi suspensa após tumulto causado por um atrito entre Wagner Rosário e Simone Tebet. Durante o desentendimento, a parlamentar disse que o CGU estaria se comportando como um “menino mimado” e, em seguida, foi acusada por ele de estar “descontrolada”.

A confusão cresceu quando outros senadores decidiram sair em defesa de Tebet. Ao fim da sessão, o relator do colegiado, Renan Calheiros (MDB), anunciou que o ministro passou da condição de testemunha para a de investigado pela CPI.

As farpas começaram quando Tebet criticou a postura do ministro em relação ao presidente Jair Bolsonaro, sugerindo que ele estaria atuando em favor do chefe do Executivo no caso Covaxin. A parlamentar afirmou que “a CGU não foi criada para ser órgão de defesa de ninguém” e que “temos um controlador que passa pano, deixa as coisas acontecerem”.

Em resposta, Rosário acusou a senadora de falar uma “série de inverdades”.

– Bem, senadora, com todo o respeito à senhora, eu recomendo que a senhora lesse tudo de novo porque a senhora falou uma série de inverdades aqui.

A fala não agradou Tebet, que retrucou:

– Não faça isso. O senhor pode dizer que eu falei inverdades, mas não me peça para fazer algo, porque eu sou senadora da República – assinalou.

O ministro prosseguiu, dizendo que a parlamentar o chamou “do que quis” e apontou um suposto descontrole emocional dela.

– A senhora me chamou de engavetador, me chamou do que quis. […] Me chama de menino mimado. Eu não lhe agredi. A senhora está totalmente descontrolada, me atacando – completou.

Neste ponto, senadores como Otto Alencar (PSD), Randolfe Rodrigues (Rede) e Leila Barros (Cidadania) envolveram-se na discussão e acusaram o ministro de estar sendo “machista” e agindo como “moleque”.

Por fim, o presidente da Comissão, Omar Aziz, pediu a Calheiros que Wagner Rosário passasse à condição de investigado, o que foi atendido pelo relator.

Leia também1 Eduardo Bolsonaro diz que Tebet é a "Maria do Rosário do Senado"
2 Wagner Rosário chama Tebet de 'descontrolada', e CPI é suspensa
3 Ministro da CGU rebate Aziz na CPI: "Aqui não é o seu campo"
4 Vídeo: Cúpula da CPI se reúne para assistir ao discurso de Bolsonaro
5 Aziz xinga Rosário na CPI e áudio vaza: "Petulante para c******"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.