Leia também:
X Veja quais os estados mais seguros (e violentos) do Brasil

Mourão fala em uma possível “reorganização do governo”

Em entrevista, presidente sinalizou que governo pode trocar ministros após eleições na Câmara e no Senado

Henrique Gimenes - 27/01/2021 14h43 | atualizado em 27/01/2021 15h06

Vice-presidente Hamilton Mourão Foto: VPR/Bruno Batista

Nesta quarta-feira (27), o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, falou que o governo pode realizar mudanças nos ministérios após as eleições na Câmara dos Deputados e no Senado. De acordo com ele, a “reorganização do governo” poderia envolver uma troca no comando do Ministério de Relações Exteriores.

As declarações foram dadas durante uma entrevista à Rádio Bandeirantes. Apesar de falar sobre as possíveis mudanças, o vice-presidente deixou claro que o assunto não foi discutido com ele.

– Não tenho bola de cristal, nem esse assunto foi discutido comigo. Mas, em um futuro próximo, depois da eleição dos novos presidentes das duas Casas do Congresso, poderá ocorrer uma reorganização do governo, para que seja acomodada uma nova composição política que emergir desse processo. Talvez com isso aí alguns ministros sejam trocados, entre eles [n]o próprio Ministério das Relações Exteriores. Prefiro aguardar porque o assunto não foi discutido comigo, e tudo o que eu falar será pura especulação – explicou.

Mourão também foi questionado sobre sua atuação no governo e ressaltou que gostaria de ter mais participação. Ele, no entanto, lembrou que a Constituição do Brasil é “meia vaga do que é responsabilidade do vice-presidente”.

– O papel do vice-presidente é um papel delicado. Nossa Constituição é meia vaga do que é responsabilidade do vice-presidente. A Constituição coloca que a responsabilidade é substituir eventualmente o presidente e ficar em condições de cumprir tarefas especiais, designadas pelo presidente da República. Na minha visão, acho que o presidente poderia me utilizar mais, de modo que a gente pudesse chegar às decisões que fossem mais adequadas às situações que têm sido vividas. Eu sempre estou pronto para auxiliar e tenho procurado fazer isso dentro dos meus limites de atuação, mas é óbvio que eu queria ter uma participação maior – destacou Mourão.

Ele foi a indagado sobre a possibilidade de um impeachment do presidente Jair Bolsonaro e disse acreditar que não nenhuma condição para um processo no “presente momento”.

– No presente momento, não está dada nenhuma das condições para o impeachment do presidente Bolsonaro. Acho que há muito ruído e muita gritaria, fruto de um desconhecimento sobre as vacinas. O mundo inteiro está com problemas para ter acesso a essas vacinas. As empresas que fabricam a vacina são poucas, os insumos vêm principalmente da China e da Índia, e nós vamos ter, ao longo desse semestre, dificuldade para todos, e o assunto termina por respingar aqui. A partir [do momento em] que o processo de vacinação avançar, essa pressão por impeachment vai diminuir – ressaltou ele.

Leia também1 Mourão defende Pazuello e fala em "excesso de pressão"
2 Mourão defende Bolsonaro e diz: "Deixa o cara governar, pô"
3 Manaus: Mourão diz que governo federal faz 'além do que pode'
4 Mourão rebate críticas do líder francês: 'Macron não está bem'
5 Mourão afirma que Lira e Baleia votam com o governo na Câmara

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.