Leia também:
X Filme vai contar a vida de Temer e rechaçar narrativa de golpe

Moro cita Matsunaga e Pádua: “Legislação penal barateia vida”

Senador eleito se manifestou por meio das redes sociais, nesta sexta-feira

Pleno.News - 24/02/2023 15h46 | atualizado em 24/02/2023 17h01

Sergio Moro Foto: Câmara dos Deputados/Pablo Valadares

Nesta sexta-feira (24), o senador eleito pelo Paraná, Sergio Moro (União Brasil), criticou o Código Penal brasileiro. Ele se manifestou por meio das rede sociais.

Moro citou casos como o de Elize Matsunaga e Guilherme de Pádua. Segundo ele, é pouco condenar alguém a “sete anos de prisão em regime fechado por assassinato”.

O senador eleito defendeu que a legislação penal precisa ser reformada.

– Sete anos de prisão em regime fechado por assassinato (Pádua, Matsunaga). É muito pouco, a legislação penal brasileira barateia a vida e precisa ser reformada – escreveu.

MATSUNAGA
Em liberdade condicional desde maio de 2022, Elize Matsunaga se tornou motorista de aplicativo em Franca, no interior de São Paulo. Ela foi condenada em 2012 por ter matado e esquartejado o marido Marcos Matsunaga, herdeiro do grupo Yoki Alimentos.

A informação foi divulgada pelo perfil no Instagram chamado Mulheres Assassinas, criado pelo jornalista Ulisses Campbell, autor do livro Elize Matsunaga: A Mulher que Esquartejou o Marido. Ele também publicou livros sobre Suzane von Richthofen e Flordelis.

De acordo com Ulisses, Elize trabalha com três aplicativos de viagens, usando o nome de solteira Elize Araújo Giacomini. Sua nota de avaliação dos passageiros é 4.80.

Matsunaga foi condenada a 19 anos e 11 meses de prisão. Em 2019, no entanto, teve a pena reduzida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) para 16 anos e três meses.

A formação de Elize inclui curso superior completo em Contabilidade, bacharel em Direito e técnica em Enfermagem.

GUILHERME DE PÁDUA
O ex-ator Guilherme de Pádua, que matou a atriz Daniella Perez, em 1992, morreu em novembro de 2022 após sofrer um infarto. Ele foi condenado em janeiro de 1997 a 19 anos de prisão, mas precisou cumprir apenas seis anos e quatro meses – um terço da pena – para receber liberdade condicional. A saída dele da prisão aconteceu em outubro de 1999.

Leia também1 Luciano Camargo e sua família se batizaram no Rio Jordão
2 Filme vai contar a vida de Temer e rechaçar narrativa de golpe
3 Hospital indenizará mulher que teve ovário retirado por erro
4 Mulher golpeada com carrinho de compras quer agressor preso
5 Hamilton Mourão diz que não falou mais com Jair Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.