Leia também:
X Cinco bebês morrem em UTI após infecção por superbactéria

Moro responde Randolfe: “Vem me chamar de mau-caráter?”

Senador comentou fala de líder governista sobre politizar operação da Polícia Federal

Paulo Moura - 23/03/2023 09h39 | atualizado em 23/03/2023 12h06

Senador Sergio Moro Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O senador Sergio Moro (União Brasil-PR) publicou em seu perfil no Twitter uma resposta a uma postagem do também senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). O líder governista disse que Moro tinha conhecimento das investigações da Polícia Federal sobre o plano da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) contra ele e que tentar politizar o caso seria “mau-caratismo”.

– O Senador Moro tinha conhecimento das investigações da Polícia Federal. Tentar politizar esse tema é mau-caratismo. A PF, sob o comando do presidente Lula, atuou de forma republicana para proteger a vida de um opositor que o levou ilegalmente e injustamente à prisão – escreveu o líder do governo no Congresso.

Cerca de duas horas depois, Moro respondeu o tuíte do parlamentar governista e questionou o fato de a postagem ser feita justamente no dia em que a descoberta do plano da facção contra ele e sua família foi revelado.

– No dia em que foi descoberto um plano do PCC para me matar e a minha família, o senador vem me chamar de mau-caráter!? – afirmou Moro.

Sergio Moro publicou resposta a Randolfe Foto: Reprodução/Twitter

SOBRE A OPERAÇÃO
A Polícia Federal deflagrou nesta quarta (22) a Operação Sequaz, que tem como objetivo desarticular uma organização criminosa que pretendia realizar ataques, incluindo homicídios e extorsão mediante sequestro, contra servidores públicos e autoridades. Um dos alvos era o ex-juiz e atual senador Sergio Moro (União Brasil-PR).

A PF informou que, segundo a investigação, os ataques poderiam ocorrer de forma simultânea, e os principais investigados se encontravam nos estados de São Paulo e Paraná. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão, prisão preventiva e prisão temporária em Mato Grosso do Sul, Rondônia, São Paulo e Paraná.

A corporação destacou que o nome da operação se refere ao ato de seguir, vigiar, acompanhar alguém, devido ao método utilizado pelos criminosos para fazer o levantamento de informações as possíveis vítimas.

Leia também1 Plano para matar Moro custou quase R$ 3 milhões ao PCC
2 Em discurso no Senado, Moro destaca ousadia dos criminosos
3 Pedido de impeachment de Lula é protocolado na Câmara; veja
4 Vídeo mostra esconderijo do PCC usado em plano contra Moro
5 Atleta transexual bate recorde pela 8ª vez e é contestada

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.