Leia também:
X Moraes autorizou a PF a ouvir Bolsonaro sem a defesa de Moro

Moro nega ter pedido cargo no STF em troca de indicação à PF

Segundo Bolsonaro, ex-ministro queria vaga no STF para indicar Alexandre Ramagem à direção-geral da PF

Gabriela Doria - 04/11/2021 18h13 | atualizado em 05/11/2021 12h49

Presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro Foto: PR/Alan Santos

Acusado pelo presidente Jair Bolsonaro de ter tentado “negociar” uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF) em troca da indicação de Alexandre Ramagem para a direção-geral da Polícia Federal, o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, negou as revelações do presidente.

Em sua defesa, Moro afirmou que ter “princípios”.

– Não troco princípios por cargos. Se assim fosse, teria ficado no governo como ministro. Aliás, nem os próprios ministros do governo ouvidos no inquérito confirmaram essa versão apresentada pelo presidente da República – rebateu Moro.

A declaração de Bolsonaro ocorreu durante seu depoimento à Polícia Federal, nesta quarta-feira (3), no inquérito em que ele é investigado por supostamente tentar interferir na PF.

Na oitiva, Bolsonaro afirmou que, “ao indicar o DPF Ramagem ao ex-ministro Sergio Moro, este teria concordado com o presidente, desde que ocorresse após a indicação do ex-ministro da Justiça à vaga no Supremo Tribunal Federal”.

À PF, Bolsonaro ainda declarou que não havia qualquer insatisfação ou falta de confiança no trabalho de Maurício Valeixo e negou ter intenção de obter informações privilegiadas de investigações sigilosas.

Leia também1 Bolsonaro diz que, por mudança na PF, Moro pediu vaga no STF
2 Confira a íntegra do depoimento do presidente Jair Bolsonaro à PF
3 Moraes autorizou a PF a ouvir Bolsonaro sem a defesa de Moro
4 Por apoio de militares, Moro convida generais para filiação
5 Internautas zombam de carisma de Moro em vídeo para o MBL

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.