Leia também:
X Bolsonaro cobra ‘antídoto’ da Anvisa para efeitos colaterais da vacina para crianças

Moraes quer parecer da PGR sobre volta de Witzel ao governo do RJ

Ex-governador pede a revisão das decisões judiciais

Pierre Borges - 12/01/2022 16h36 | atualizado em 12/01/2022 16h45

Alexandre de Moraes e Wilson Witzel
O ministro Alexandre de Moraes, do STF, e o ex-governador Wilson Witzel Fotos: Fellipe Sampaio/STF/SCO // Philippe Lima/Governo do Estado do Rio de Janeiro

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), solicitou à Procuradoria-Geral da República (PGR) que se manifeste sobre o pedido feito por Wilson Witzel para ele retornar ao posto de governador do estado do Rio de Janeiro.

Witzel foi destituído do governo estadual após sofrer um processo de impeachment, em abril do ano passado. Três meses depois, Moraes manteve a decisão do Tribunal Misto, que votou por unanimidade pela cassação do mandato do ex-juiz. O ex-governador recorreu da decisão do ministro, alegando o surgimento de fatos novos.

De acordo com Witzel, a declaração de suspeição do juiz Marcelo Bretas em ações em que parentes dele são citados na 7ª Vara Criminal Federal e a aprovação da Assembleia Legislativa do RJ (ALERJ) das contas de 2020 do governo do estado, divulgada em dezembro, justificam uma revisão de decisões anteriores.

Bretas foi quem autorizou as primeiras provas encontradas na investigação que culminou no impeachment do governador.

Agora, uma decisão sobre o caso só deve sair após o parecer da PGR.

Leia também1 Bolsonaro cobra 'antídoto' da Anvisa para efeitos colaterais da vacina para crianças
2 Chuvas em MG deixam aos menos 24 mortos e 24 mil desalojados
3 'Bolsonaro nunca defendeu o combate à corrupção', diz Moro
4 SP: Pais antivacina poderão ser denunciados ao Conselho Tutelar
5 Eduardo Paes faz piada e fala em proibir cerveja a não vacinados

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.