Leia também:
X Veja o desempenho dos cantores do gospel nas eleições de 2022

Moraes impõe multa por posts sobre voto de Marcola em Lula

Magistrado apontou "recalcitrância em divulgar mensagens sabidamente inverídicas, no dia do pleito"

Pleno.News - 03/10/2022 13h27 | atualizado em 03/10/2022 15h05

Ministro Alexandre de Moraes Foto: TSE/Secom/LR Moreira

O ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), impôs multa de R$ 15 mil a apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) que descumpriram sua decisão de mandar remover publicações que afirmam que o traficante Marcola, do Primeiro Comando da Capital (PCC), declarou voto no ex-presidente Luiz Inácio Lula Da Silva (PT). O magistrado apontou “recalcitrância em divulgar mensagens sabidamente inverídicas, no dia do pleito”.

A multa atinge o senador Flávio Bolsonaro, os youtubers Bernardo Kuster, Leandro Ruschell e Kim Paim, a blogueira Barbara Destefani e outros. Moraes também determinou que eles se abstenham de fazer publicações com o mesmo conteúdo, aumentando a multa a ser imposta em casos de novos descumprimentos, para R$ 30 mil.

O despacho foi assinado às 17h50 deste domingo (2) e ainda ordenou que o Twitter e o Gettr suspendessem uma série de publicações, pelo prazo de uma hora, sob pena de multa de R$ 100 mil.

A decisão que, segundo Moraes, foi contrariada, foi dada no início do domingo sob o argumento de que a informação é “inverídica e descontextualizada”. Na avaliação do ministro, o TSE não poderia permitir a circulação de uma notícia falsa na véspera da eleição.

A informação começou a circular a partir de um grampo da Polícia Federal.

– É melhor, mesmo sendo pilantra – diz a gravação.

No despacho, Moraes disse que a conversa não indica “qualquer declaração de voto” em Lula.

– Na verdade, os diálogos transcritos, além de se relacionarem a condições carcerárias, apresentam apenas conotação política, pois retratam suposta discussão de Marcola e outros interlocutores a respeito de Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Messias Bolsonaro. Embora o teor dos diálogos revele uma discussão comparativa entre os candidatos, não existe declaração de voto – diz um trecho da decisão.

O presidente do TSE lembrou ainda que Marcola está com os direitos políticos suspensos por causa de uma condenação e, portanto, não pode votar.

*AE

Leia também1 Veja o desempenho dos cantores do gospel nas eleições de 2022
2 "Disputa decidirá forma como seremos vistos por Deus"
3 Aras avalia investigar institutos de pesquisa por erros grosseiros
4 Bolsonaro tem primeiro turno de 2022 melhor do que em 2018
5 Zé Trovão é eleito deputado federal por Santa Catarina

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.