Leia também:
X Lula faz “lobby”, e PT mantém apoio a Freixo no Rio de Janeiro

Moraes “ignora” a PGR e mantém inquérito contra Jair Bolsonaro

Investigação trata de "dados vazados" pelo presidente a respeito de uma investigação da PF sobre um ataque hacker ao TSE

Henrique Gimenes - 05/08/2022 15h40 | atualizado em 05/08/2022 16h17

Ministro Alexandre de Moraes, do STF Foto: EFE/Fernando Bizerra Jr

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu negar um pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e manter aberto um inquérito contra o presidente Jair Bolsonaro. A ação trata do vazamento de dados sigilosos da Polícia Federal (PF) sobre um inquérito que apura um ataque hacker ao TSE em 2018.

A investigação foi aberta em agosto de 2021, após Bolsonaro divulgar, durante transmissão ao vivo pelas redes sociais, uma cópia de um inquérito referente a uma investigação sigilosa da PF sobre um ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O ataque ocorreu em 2018.

A PGR chegou a pedir o arquivamento da ação apontando que Moraes teria violado o “processo acusatório” ao ter determinado medidas sem pedir manifestação da própria PGR. Moraes, no entanto, negou o pedido e apontou que o Ministério Público havia acompanhado o processo.

– Em 4 (quatro) das 5 (cinco) oportunidades de atuação do Ministério Público, a Procuradoria Geral da República manifestou-se por meio da Dr. Lindôra Maria Araújo, Vice-Procuradora Geral da República, que, por meio de sua ciência, concordou com as referidas decisões – apontou o ministro do STF.

Leia também1 “Gente boba não chega aonde a gente está”, explica Barroso
2 Moraes e Mendonça divergem sobre retroatividade de lei
3 Improbidade administrativa não retroage, defende Moraes
4 Em evento, Pacheco defende debates sobre mudanças no STF
5 Grupo ligado ao agronegócio defende democracia em carta

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.