Leia também:
X Ministério da Saúde discute cartilha que diz que ‘todo aborto é um crime’

Moraes envia pedido de Randolfe contra Bolsonaro para a PGR

Senador pede que o presidente Jair Bolsonaro seja investigado por supostamente vazar dados de inquérito

Pleno.News - 29/06/2022 07h38 | atualizado em 29/06/2022 09h51

Ministro Alexandre de Moraes, do STF Foto: STF/Rosinei Coutinho

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), abriu prazo para a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestar sobre um pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Na ação, o parlamentar pede que o presidente Jair Bolsonaro seja investigado por supostamente obter e repassar dados das investigações acerca do suposto “gabinete paralelo” no Ministério da Educação (MEC) ao ex-ministro Milton Ribeiro.

O parlamentar, que é líder da oposição no Senado, pede a investigação do presidente por indícios dos crimes de violação de sigilo e de obstrução da justiça. Moraes despachou no inquérito aberto quando o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, pediu exoneração acusando Bolsonaro de tentar interferir politicamente na Polícia Federal (PF) para blindar familiares e aliados de investigações.

A ministra Cármen Lúcia, relatora da investigação sobre o suposto “gabinete paralelo” no MEC, já havia pedido um parecer da PGR sobre a situação do presidente. O caso havia descido para primeira instância depois que Milton Ribeiro deixou o governo e perdeu o foro por prerrogativa de função, mas foi enviado de volta ao STF diante das acusações de interferência contra Bolsonaro.

*AE

Leia também1 Ministério da Saúde discute cartilha que diz que 'todo aborto é um crime'
2 Agrediu chefe: Procurador vira réu por tentativa de feminicídio
3 Petistas vão ao STF e pedem a quebra dos sigilos de Bolsonaro
4 DF: Estudante esfaqueia outros dois alunos em escola
5 Empresas custearão viagens para abortos nos EUA

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.