Leia também:
X Ana Paula Henkel critica silêncio da esquerda sobre Cuba

Miranda pede para remarcar depoimento à PF sobre Covaxin

Oitiva será realizada somente em agosto

Pleno.News - 20/07/2021 13h09 | atualizado em 20/07/2021 13h36

Deputado Luis Miranda Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) pediu que fosse remarcada a data de seu depoimento à Polícia Federal. Com isso, a oitiva prevista para a tarde desta terça-feira (20) deverá ocorrer somente em agosto.

O parlamentar será ouvido no inquérito aberto para apurar suposta prevaricação do presidente Jair Bolsonaro diante de supostas irregularidades na importação da vacina indiana Covaxin.

As suspeitas foram levadas a Bolsonaro pelo deputado e pelo irmão dele, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, em março, e tornaram-se um dos focos da CPI da Covid.

Procurado para comentar o motivo do pedido para falar à PF em outra data, o deputado do DF não se manifestou. Na segunda-feira (19), ele disse que aproveitaria o recesso parlamentar para ter férias com a família.

No mesmo dia, foi noticiado que, no depoimento prestado na semana passada, Luis Ricardo afirmou não ter mais as mensagens em que ele alega ter sido pressionado por superiores para liberar a importação do imunizante, pois trocou de aparelho celular.

Chefe da divisão de importação do Ministério da Saúde, Luis Ricardo diz ter identificado inconsistências em documentos que autorizariam o embarque das vacinas para o Brasil; entre elas, um pedido de pagamento antecipado para empresa que não estava no contrato.

As mensagens trocadas por Luis Ricardo com o irmão e com outros envolvidos na investigação não ficaram salvas na nuvem e não foram espelhadas para o novo aparelho. À polícia, porém, ele afirmou manter todos os prints (fotos das conversas).

Os irmãos Miranda afirmam que a troca de aparelho não enfraquece a denúncia que eles apresentaram porque as conversas foram encaminhadas ao deputado, e a investigação pode avançar sobre os aparelhos das autoridades que exerceram a suposta pressão.

Eles narram que levaram ao presidente Jair Bolsonaro, em 20 de março, informações sobre supostas irregularidades no Ministério da Saúde, em específico com relação à compra da Covaxin. A negociação foi intermediada pela Precisa Medicamentos.

Na oportunidade, o presidente teria garantido aos dois que acionaria a Polícia Federal para que as suspeitas fossem investigadas. O pedido de apuração não ocorreu, e um inquérito só foi aberto meses depois, por causa do andamento dos trabalhos da CPI da Covid.

Entre os superiores que teriam pressionado Luis Ricardo a liberar a importação mesmo com erros no processo, estão o ex-diretor de logística do ministério, Roberto Dias, e o ex-secretário-executivo da pasta, coronel Elcio Franco.

*AE

Leia também1 Irmão de Miranda não lembra se mostrou invoice a Bolsonaro
2 Zambelli revela detalhe de clube de tiro: 'Não tem estande 13'
3 Irmão de Miranda diz que trocou de celular e não entrega prints
4 Cúpula da CPI e G7 mantêm reuniões durante o recesso
5 A apoiadores, Bolsonaro chama Omar Aziz de “anta amazônica”

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.