Leia também:
X Prefeito deixa cidade às escuras para evitar aglomeração

Ministro revela que a EBC tem prejuízo anual de R$ 550 milhões

Fábio Faria "discutiu" com jornalistas nas redes sociais sobre a privatização da empresa

Henrique Gimenes - 07/03/2021 14h30 | atualizado em 07/03/2021 14h31

Ministro das Comunicações, Fábio Faria Foto: PR/Alan Santos

Neste sábado (6), o ministro das Comunicações, Fábio Faria, ‘discutiu’ com jornalistas nas redes sociais a respeito da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC). Faria foi cobrado sobre a privatização da EBC e revelou que a empresa tem prejuízo anual de R$ 550 milhões, e que por isso não seria possível vendê-la.

A discussão teve início após o colunista Carlos Andreazza, do jornal O Globo, questionar o ministro sobre a privatização da EBC. O assunto foi abordado também pelo colunista Felippe Hermes, do site Infomoney.

Após as abordagens, Fábio Faria perguntou a Hermes se ele não estava “muito militante” para alguém que trabalha em um “veículo sério” que cobre o mercado financeiro e tem a “XP Investimentos como apoiadora”.

O colunista, então, voltou a questionar o ministro sobre a privatização da “TV Lula”, termo usado pelo presidente Jair Bolsonaro durante sua campanha eleitoral.

– Quando ela tiver condições de ter algum comprador! Ou se o lacrador conseguir algum player que pague algum valor numa TV que deixa 550 milhões de prejuízo por ano – revelou.

Já com o colunista Carlos Andreazza, o ministro discutiu sobre a inauguração de obras no país. Ele rebateu críticas ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

Leia também1 Guedes confirma que antecipará 13° de beneficiários do INSS
2 Eduardo Bolsonaro chama Leite de "exterminador de empregos"
3 Vídeo desmonta 'argumentos' do movimento #custobolsonaro
4 YouTube remove vídeo de Kicis por "desinformar sobre covid"
5 Bolsonaro acompanha saída de comitiva a Israel por spray

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.