Leia também:
X Jordy debocha de Tabata por ir ao Conselho de Ética da Câmara

Ministro Braga Netto tentará aproximar-se do Supremo

Presidente Jair Bolsonaro deu declarações sobre não querer confronto com o STF

Pleno.News - 02/04/2021 15h10 | atualizado em 02/04/2021 16h03

Walter Braga Netto é o novo ministro da Defesa Foto: Agência Brasil/Tânia Rêgo

O novo ministro da Defesa, Walter Braga Netto, vai procurar, na próxima semana, magistrados do Supremo Tribunal Federal, na tentativa de aproximar-se da Corte. Após trocar o comando das Forças Armadas, o presidente da República, Jair Bolsonaro, tem dito que não quer novo confronto com o STF.

Braga Netto substitui, na pasta da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, que foi assessor especial de Dias Toffoli quando o magistrado presidia o Supremo.

O general Azevedo e Silva ficou conhecido na tropa por boa interlocução no tribunal e por ajudar a “apaziguar os ânimos” no relacionamento entre Bolsonaro e a Corte. Seu sucessor, por outro lado, é visto como um “cumpridor de missões”. E, nos bastidores, havia comentários de que o presidente se preparava para uma “aventura golpista”.

– Calma, gente! Podem dormir com o passaporte no cofre – ironizou o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL).

– Não há risco para a democracia. Só se matarem todo mundo – emendou ele, em tom de brincadeira.

Ao não sentir naqueles chefes militares um alinhamento com seu projeto político, Bolsonaro trocou toda a cúpula das Forças Armadas. Assim, ele substituiu Pujol por Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira no comando do Exército. Para a Marinha, o escolhido foi o almirante de esquadra Almir Garnier no lugar de Ilques Barbosa; e, na Aeronáutica, o brigadeiro Carlos Almeida Baptista Junior sucedeu Antônio Carlos Bermúdez.

Quando o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, anulou as condenações do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, Bolsonaro esperava que Pujol soltasse uma nota contrária à decisão.

– Política não entra nos quartéis – respondeu Pujol.

Na live semanal da quinta-feira (1), o presidente negou a politização do comando militar.

*Com informações do Estadão

Leia também1 Jair Bolsonaro nega politização do Ministério da Defesa
2 Alesp suspende por 6 meses deputado que assediou Isa Penna
3 Lula perde processo e paga mais de R$ 24 mil a advogados
4 Gilmar e Barroso criticam 1964 e acusam movimento de 'ditadura'
5 STF libera empreiteiras da Lava Jato a participar de licitações

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.