Leia também:
X G7 exige que Rússia retire tropas de centrais nucleares da Ucrânia

Mesmo com 9 milhões de visualizações, Flow com Bolsonaro não entra na aba “em alta” do YouTube

Apesar de ter números excelentes na plataforma, entrevista do presidente não está na aba de destaques

Paulo Moura - 10/08/2022 11h36

Presidente Jair Bolsonaro Foto: Reprodução/Print de vídeo YouTube Flow Podcast

Apesar de registrar índices altíssimos de audiência simultânea e um total de quase 10 milhões de visualizações no YouTube em pouco mais de um dia, a entrevista concedida pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ao Flow Podcast na noite da última segunda-feira (8) não entrou na aba dos vídeos “em alta” do YouTube, área do site que reúne as publicações de maior destaque em cada país.

A conversa com o presidente da República, que teve 5 horas e 20 minutos de duração, chegou a alcançar uma audiência de 570 mil espectadores simultâneos. Até a manhã desta quarta-feira (10), menos de 36 horas após a transmissão ser encerrada, o vídeo da entrevista também já havia atingido a marca de 9,7 milhões de exibições.

No entanto, mesmo com esses resultados, o vídeo não figurou na lista dos destaques da plataforma de vídeos do Google. Para efeito de comparação, entre os 50 vídeos elencados na lista, há a presença de cortes – trechos retirados da edição integral dos podcasts – da entrevista da cantora Anitta ao podcast Pod Delas, que aconteceu no mesmo dia e horário da entrevista de Bolsonaro.

Entre os trechos da entrevista da cantora presentes na seção “em alta”, está um vídeo publicado com o título Como Anitta Conheceu Murda Beatz, que possui 61 mil visualizações. Enquanto isso, mesmo os recortes da entrevista com o presidente publicados no canal Cortes do Flow, como o vídeo Bolsonaro vai pros debates?, que já passa das 470 mil exibições, está fora da lista.

O QUE DIZ O YOUTUBE SOBRE A ABA “EM ALTA”
Em seu site, o YouTube afirma que objetivo da lista dos vídeos em alta é destacar vídeos “que podem agradar vários espectadores”. A plataforma diz ainda que “alguns destaques são previsíveis, como a música nova de um artista famoso ou o trailer de um filme”, mas que “outros são surpreendentes, como um vídeo viral”.

Também de acordo com a plataforma, a lista de vídeos em alta é atualizada a cada 15 minutos e, em cada atualização, os vídeos podem subir, descer ou ficar na mesma posição na lista.

Sobre os critérios utilizados, o YouTube diz que são escolhidos para a aba vídeos que “atraem uma grande variedade de espectadores; não sejam enganosos, sensacionalistas ou indutores de cliques; transmitam a amplitude do que acontece no YouTube e no mundo; mostrem diversos criadores de conteúdo; e sejam surpreendentes ou novos”.

Aliado a isso, o site informa que considera métricas como “o número de visualizações; a velocidade com que o vídeo gera visualizações; a origem das visualizações (inclusive, fora do YouTube); há quanto tempo o vídeo foi enviado; e o desempenho do vídeo comparado a outros envios recentes do mesmo canal” para incluir os vídeos na lista de destaques.

O Pleno.News procurou o YouTube para entender por qual motivo os vídeos da entrevista com o presidente Jair Bolsonaro não apareceram na aba “em alta” da plataforma, mas não obteve resposta.

Leia também1 Bolsonaro registra candidatura à reeleição na Justiça Eleitoral
2 Comissão do Senado deve ouvir Moraes, Lewandowski e Valério
3 Casa Branca diz que não sabia de ação do FBI na mansão de Trump
4 Polícia investigará vazamento de gás lacrimogêneo em escola
5 "Povo armado jamais será escravizado", afirma Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.