Leia também:
X ‘Querem criminalizar quem apoia o presidente’, diz Jordy

MBL usou plataforma do Google para lavar dinheiro

Movimento também teria usado empresas de fachada para ocultar origem de pagamentos

Rafael Ramos - 11/07/2020 10h06 | atualizado em 11/07/2020 10h07

MBL está na mira do Ministério Público de São Paulo Foto: Reprodução

Na mira da Justiça por lavagem de dinheiro, que culminou na prisão de alguns de seus integrantes, o Movimento Brasil Livre (MBL) é suspeito de usar plataformas virtuais, como o Google, e empresas de fachada para lavagem de dinheiro.

Promotores do Ministério Público de São Paulo afirmam que doações passavam pela plataforma Google Pagamentos, que desconta 30% do valor pago. Dessa forma, os depósitos não eram feitos diretamente nas contas do movimento e assim a origem do dinheiro ficava oculta.

A investigação também aponta o uso do Superchat, que vem a ser uma opção do YouTube para que os usuários paguem para ter seus comentários destacados em transmissões ao vivo. Nesse caso, os pagamentos seriam feitos de forma fracionada, com média entre R$ 200 ou R$ 300 por live, e usando até cartões pré-pafos comprados anonimamente pela internet.

– Os pagamentos efetuados via Superchat são muito menos rastreáveis no que tange à origem do dinheiro – há diversos vídeos no Youtube mencionando a possibilidade de doações por meio de compra de cartões pré-pagos, facilitando eventual prática de Lavagem de Dinheiro. Há a aquisição desses cartões pré-pagos junto a sites e posteriormente é feita a doação ao patrocinador que se deseja, via Superchat, sem que seja possível lastrear a real origem do dinheiro investido, que serviu para patrocinar o Movimento – afirma o MP.

O esquema nas plataformas virtuais teria apoio de empresas de fachada, que seriam usadas apenas para movimentar valores de origens desconhecidas. A investigação apontou mais de 20 firmas constituídas pelos fundadores do Movimento Renovação Liberal (MRL), da família Ferreira dos Santos, que deve cerca de R$ 400 milhões ao Fisco Federal.

– As evidências já obtidas indicam que estes envolvidos, entre outros, construíram efetiva blindagem patrimonial composta por um número significativo de pessoas jurídicas, tornando o fluxo de recursos extremamente difícil de ser rastreado, inclusive utilizando-se de criptoativos e interpostas pessoas – indicou o MP-SP.

Em nota, o MBL afirmou que “as atividades empresarias e familiares dos fundadores do MBL são anteriores ao próprio Movimento e não possuem qualquer vinculação, haja vista que não possuem qualquer conexão ou convergência de finalidade”. Já o Google informou que “apoia, de modo consistente, o importante trabalho das autoridades investigativas”.

Leia também1 Internet celebra operação e manda recado: #DerreteMBL
2 Preso ligado ao MBL tem cargo de confiança no governo Doria
3 Ex-coordenadora: "MBL é seita para eleger Kim presidente"
4 'Querem criminalizar quem apoia o presidente', diz Jordy
5 MP acha milhões na casa do ex-secretário de Saúde do RJ

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.