Leia também:
X PT se posiciona contra projeto que define limite para o ICMS

MBL quer enquadrar MTST como organização criminosa

Grupo protocolou ação no Ministério Público

Pleno.News - 09/06/2022 16h14 | atualizado em 09/06/2022 17h11

Guilherme Boulos é líder do MTST Foto: Divulgação/MTST

Integrante do Movimento Brasil Livre (MBL), o vereador Rubinho Nunes (União Brasil) protocolou no Ministério Público um requerimento para enquadrar o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) como organização criminosa. Um protesto realizado no shopping Iguatemi nesta quarta-feira (8) foi usado como justificativa para o pedido.

No documento, que também é assinado pelo pré-candidato a deputado estadual Guto Zacarias, os membros do MBL afirmam que o MTST gera “pânico contra inocentes proprietários de imóveis que não têm culpa a respeito dos problemas de falta de moradia no país”. Também usam o termo “invasão” para se referir ao protesto no shopping e citam um trecho do código penal sobre “compartimentos não abertos ao público”.

– Entendemos haver indícios de prática delituosa que atenta ao Código Penal, bem como a princípios da Constituição Federal, em razão da formação de organização criminosa com o intuito de praticar os crimes de violação de domicílio – diz a representação.

Nesta quarta, integrantes do movimento sem-teto protestaram no Iguatemi, um dos shoppings mais luxuosos de São Paulo. Eles gritavam: “Não é mole, não. Brasil com fome, e aqui ostentação”. Não houve confronto.

Procurado via assessoria de imprensa, o MTST ainda não se manifestou sobre o requerimento.

*AE

Leia também1 Justiça nega ação do PSOL para anular domicílio de Tarcísio
2 Bolsonaro chega em Los Angeles para Cúpula das Américas
3 Senadora quer criminalizar olhares com "conotação sexual"
4 “Todo aborto é um crime”, diz Ministério da Saúde em cartilha
5 Defesa pede que Moraes libere contas da esposa de Silveira

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.