Leia também:
X Show da posse de Lula teve 280 mil a menos que o esperado

Lula revoga decreto de Mourão que reduziu tributo de empresas

Medida teria custo de R$ 5,8 bilhões ao novo governo

Thamirys Andrade - 02/01/2023 10h49 | atualizado em 02/01/2023 12h09

Vice-presidente Hamilton Mourão Foto: VPR/Romério Cunha

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) revogou o decreto feito pelo até então presidente em exercício, general Hamilton Mourão (Republicanos), na última sexta-feira (30). A medida do militar havia reduzido impostos para grandes empresas, o que na prática geraria um custo de R$ 5,8 bilhões ao governo.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, criticou a atitude do general, e avaliou como “péssimas” as atitudes do governo anterior na transição.

– Mesmo depois da eleição, nós tivemos um péssimo exemplo de transição, péssimo. A ponto, e não falo dos protocolos de transmissão de cargo, que colocou dois militares em uma situação indefensável, o presidente Bolsonaro e seu vice [Mourão], que se recusaram aos protocolos previstos em lei. Mas mais do que isso, no dia 30 de dezembro, foram capazes de publicar no DOU dois decretos que darão mais de R$ 10 bilhões de prejuízo para os cofres públicos. Esses são os patriotas que deixam o poder – reclamou, de acordo com informações do portal Metrópoles.

O decreto de Mourão reduzia em 50% o Pis/Pasep e o Confins. No caso do primeiro tributo, a diminuição foi de 0,65% para 0,33%. Já no Confins, a queda foi de 4% para 2%. Já era esperado que o novo governo revogasse a determinação.

Leia também1 Economista do 1º governo Lula: 'Existe risco de uma crise severa'
2 Lula assina decreto que altera política de armas de Bolsonaro
3 Lula recua e assina desoneração dos combustíveis por 60 dias
4 Nicolás Maduro falta à posse e fala em união da América Latina
5 Saiba quem são os cidadãos que passaram a faixa para Lula

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.