Leia também:
X Arthur Lira dá aval para unir duas PECs e acelerar tramitação

Lula investe em agendas com empresários, mas ataca mercado

Para cientistas políticos, estratégia é emitir sinais ao centro sem desagradar os eleitores de esquerda

Pleno.News - 04/07/2022 09h56 | atualizado em 04/07/2022 11h43

Lula Foto: Ricardo Stuckert/ PT

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) entrou em uma nova fase da pré-campanha pelo Palácio do Planalto e passou a encontrar agentes econômicos em jantares. Ao mesmo tempo, em público, o petista mantém ataques ao mercado, às privatizações, à reforma trabalhista e ao teto de gastos – regra fiscal que limita o crescimento das despesas públicas à inflação. A princípio fechado para reuniões com empresários e banqueiros, Lula agora investe na aproximação com o chamado PIB – o grupo de atores dos principais setores da economia brasileira.

Os primeiros encontros se deram nas duas últimas semanas. O movimento, porém, ainda enfrenta resistência no empresariado, sobretudo em virtude de posicionamentos econômicos que remetem, não ao primeiro mandato de Lula (2003 a 2006), quando o governo entregava superávit primário ao arrecadar mais do que gastar, mas à gestão de 2006 a 2010 e às administrações Dilma Rousseff (PT). Nesse período, houve deterioração das contas públicas e inchaço da máquina, por exemplo.

A partir deste mês, o foco, segundo articuladores, é dialogar com federações da indústria, do comércio e do agronegócio. O encontro mais emblemático, na palavra de um dirigente da campanha, é o jantar que será realizado nesta terça-feira (5) na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Na próxima semana, Lula pretende se reunir com dirigentes da Confederação Nacional do Comércio (CNC), durante viagem a Brasília.

Para pessoas próximas do petista, é “questão de tempo” até que ele tenha dialogado com os setores relevantes da economia. De acordo com cientistas políticos, as conversas com o empresariado associadas às críticas recorrentes ao setor integram uma estratégia de Lula de emitir sinais a uma parte da sociedade mais ao centro sem desagradar os eleitores mais à esquerda.

DIÁLOGO
Nas atuais conversas, Lula não entra em detalhes sobre medidas de um eventual futuro governo, tampouco anuncia um interlocutor único para tratar do plano econômico, como cobram empresários. Em vez disso, ele prefere reforçar uma tríade: promessa de crescimento, compromisso de pacificação do país capaz de atrair investimentos e a memória de seus governos passados, que, segundo ele, é a prova de que está disposto a governar com apoio do empresariado e com responsabilidade fiscal.

Aos empresários, o petista tem criticado medidas do governo de Jair Bolsonaro (PL). Está nessa lista, por exemplo, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), aprovada pelo Senado na semana passada, que turbina benefícios e eleva gastos em R$ 41,25 bilhões em ano eleitoral. Senadores do PT e aliados de Lula em outras legendas, no entanto, votaram a favor.

Em público, no último sábado (2) em ato em Salvador, o petista afirmou que o eleitor tem de “pegar todo o dinheiro” e não votar em Bolsonaro, além de criticar reiteradamente a política de preços da Petrobras.

Antes da nova fase, o ex-presidente já havia recebido os empresários Abilio Diniz, da Península Participações, e José Seripieri Jr., da QSaúde. Em junho, esteve em um jantar com a presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Teresa Vendramini, e Pedro Passos, fundador da Natura, que tem discurso crítico às diretrizes do plano de governo apresentado pelo PT. Encontrou ainda nomes como Claudio Ermírio de Moraes (Votorantim), Frederico Trajano (Magalu) e Carlos Sanchez (EMS).

DIVISÃO
No agronegócio, contudo, já há rachas. A presença de Teresa, da SRB, no jantar com Lula gerou ruído na entidade. A dirigente passou a ser alvo de questionamentos e críticas por ter dividido a mesa com o petista no evento organizado pelo fundador do Insper, Cláudio Haddad. Nessas incursões, o petista conta com o candidato a vice, Geraldo Alckmin (PSB), para destravar relações, sobretudo com esse setor.

– Gostando ou não pessoalmente do presidente Lula, os agentes financeiros, atores econômicos, inclusive do mercado, sabem que só a chapa Lula-Alckmin pode reconstruir planejamento, previsibilidade e segurança, para que os investimentos possam chegar ao Brasil – disse o deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), que tem sido enviado por Lula como um dos emissários para falar sobre os planos econômicos.

Apesar do tom otimista do entorno do ex-presidente, empresários se mantêm reticentes. Outros fazem críticas aos governos petistas e aos posicionamentos adotados por Lula, inclusive nas diretrizes do plano de governo. Em entrevista na sexta-feira à Rádio Metrópole, da Bahia, o petista usou, por exemplo, o termo “imbecil” para se referir a banqueiros.

Por outro lado, a recepção na Fiesp será carregada de simbolismos. Na presidência da entidade está Josué Gomes da Silva, filho do vice-presidente José Alencar, morto em 2011, que foi um dos avalistas de Lula junto ao empresariado na eleição de 2002. A entidade apoiou os protestos contra o governo Dilma, cruciais para o caldo político que levou ao impeachment da ex-presidente.

ESTRATÉGIA
Para o cientista político Rodrigo Prando, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, o posicionamento de Lula – ao investir em conversas com agentes econômicos, mas manter críticas a temas sensíveis ao setor – faz parte de uma estratégia política que já deu certo para o petista. O professor relembra a “criação” do “Lulinha paz e amor”, uma roupagem que garantiu a vitória em 2002.

Segundo Prando, Alckmin é o fiador dessa estratégia nesta eleição.

– Ele traz a ideia de um diálogo com o centro, com Alckmin, com o mercado e com o empresariado, mas sabe que não pode abandonar, como Bolsonaro nunca abandonou, sua base mais fiel – disse.

Já o cientista político José Álvaro Moisés, professor da Universidade de São Paulo, considera que o petista adota “uma posição que se poderia chamar progressista mais radical”.

– Lula tem insistido na questão de que mais importante do que o ajuste fiscal no Brasil seria o ajuste social – afirmou.

Do ponto de vista de Lula, Moisés diz não haver incoerência em abordar esses temas e sentar para conversar com o mercado.

– Quando vai se encontrar com o mercado, ele vai apresentar essas questões e tentar justificá-las.

PONTO A PONTO
Teto de gastos: Lula já afirmou que, se eleito, vai acabar com o teto de gastos, medida aprovada pelo governo do ex-presidente Michel Temer (MDB) e já flexibilizada pela gestão Jair Bolsonaro (PL). “Não vai ter teto de gastos no meu governo”, afirmou o petista, em Juiz de Fora, Minas Gerais, no dia 12 de maio. Para ele, a proposta só foi aprovada porque os banqueiros são “gananciosos”.

Reforma trabalhista: Ao falar sobre o tema, Lula usa como exemplo a Espanha, que revogou a reforma aprovada em 2012. O petista defende que o mesmo processo seja feito no Brasil, apesar de seu plano de governo, divulgado em 21 de junho, não conter mais o termo “revogação”.

Banqueiros: Em sua mais recente declaração, Lula afirmou que banqueiros só querem acumular riqueza. “Para que você quer acumular tanto dinheiro, imbecil?”, afirmou, em entrevista à Rádio Metrópole, da Bahia, na última sexta (1°). Anteriormente, no dia 24 de maio, o pré-candidato do PT havia novamente chamado os banqueiros de “gananciosos”.

*AE

Leia também1 Arthur Lira dá aval para unir duas PECs e acelerar tramitação
2 Ronaldo Caiado lamenta morte do filho: "Que Deus o acolha"
3 Presidência da República presta condolências a Ronaldo Caiado
4 PT nega montagem em foto de ato na BA: 'Erro da panorâmica'
5 Filho do governador Ronaldo Caiado morre em Goiás

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.