Leia também:
X Toffoli recebeu R$ 3 milhões para mudar voto, afirma Cabral

Lira instala comissão que vai analisar PEC do voto impresso

Se aprovada, a PEC tornaria obrigatória a impressão de cédulas de papel após votos depositados na urna eletrônica

Pleno.News - 13/05/2021 07h46 | atualizado em 13/05/2021 09h25

Presidente da Câmara, Arthur Lira Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), instalou no início da madrugada desta quinta-feira (13) a comissão especial para analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do voto impresso.

Se aprovada, a PEC de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF) tornaria obrigatória a impressão de cédulas de papel após votos depositados na urna eletrônica. A parlamentar pesselista comemorou a decisão da Lira.

– Não importa sua coloração política. Todos queremos que nossos votos cheguem aos nossos candidatos. Só um sistema auditável nos garante isso – postou Bia Kicis no Twitter.

A instalação da comissão foi anunciada por Lira, que estava ao lado de deputados da base aliada ao governo Jair Bolsonaro, logo após a aprovação do texto-base do licenciamento ambiental e minutos antes do encerramento de uma sessão arrastada.

Oposicionistas do governo federal, porém, criticaram a decisão do presidente da Câmara. A deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS) foi ao Twitter dizer que a decisão foi tomada “na calada da noite”.

– Pra quem achava que não dava para terminar o dia pior, o trator do autoritarismo mostrou que é possível, sim – publicou Fernanda.

*Estadão

Leia também1 Datafolha dá vitória a Lula em 2022 e vira piada nas redes
2 "Se o Parlamento promulgar, teremos voto impresso em 2022"
3 'Pai da urna eletrônica' é tirado da chefia de Secretaria do TSE
4 Pesquisa: Jair Bolsonaro avança rumo à reeleição em 2022
5 Jair Bolsonaro oficializa Carlos Horbach como ministro do TSE

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.