Leia também:
X Fux: Judiciário não tem dinheiro nem exército e não aceita pactos

Lira: Alterar lei do impeachment ‘foge do escopo’ da CPI

Presidente da Câmara rebateu senador Renan Calheiros

Pierre Borges - 15/09/2021 17h02 | atualizado em 15/09/2021 19h53

Presidente da Câmara, Arthur Lira Foto: Agência Brasil/Fabio Pozzebom

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, disse nesta quarta-feira (15) que tratar de alterações na lei do impeachment “foge do escopo” do relatório da CPI da Covid. O relator da Comissão, Renan Calheiros, afirmou nesta terça (14) que irá propor mudança na lei.

A intenção de Renan é permitir que as conclusões da investigação da CPI provoquem a abertura de um processo de afastamento do presidente Jair Bolsonaro na Câmara. Lira disse que todos os parlamentares podem fazer sugestões, mas criticou que membros do Senado tomem à frente de regimentos internos da Câmara dos Deputados.

– Sugestão, todo parlamentar pode fazer. Projetos, todos os parlamentares podem fazer. Eu não ousaria querer alterar, daqui [da Câmara], o regimento [necessário] para o presidente do Senado alterar o rito de impeachment de ministro do Supremo. Tanto o rito do presidente da Câmara quanto [o] do presidente do Senado são de instituições que representam o Poder autônomo, representativo – defendeu Lira.

Ele disse ainda que aceitaria a proposta, se apoiada pela maioria do Congresso, mas não acredita que seja o caso.

– Se a maioria do plenário quiser, a qualquer momento, alterar, altera. Eu não acredito que seja esse o sentimento das duas Casas – analisou.

Leia também1 CPI mira Bolsonaro e vai propor alterar Lei do Impeachment
2 Fux: Judiciário não tem dinheiro nem exército e não aceita pactos
3 Senadores cobram Alcolumbre por sabatina de André Mendonça
4 ‘Estuprador vai para casa, e meu pai continua sem fazer exames’
5 Cientistas ensinam vacas a usar banheiro para preservar o clima

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.