Leia também:
X Nikolas vai ao STF contra Flávio Dino por “omissão intencional”

Justiça do DF inicia audiências de custódia de presos por atos

Audiências são realizadas de forma virtual e devem ocorrer também no final de semana

Paulo Moura - 12/01/2023 09h24 | atualizado em 12/01/2023 10h04

Polícia e Exército durante operação para desmobilizar acampamento no DF Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT) iniciou, nesta quarta-feira (11), um mutirão para realizar audiências de custódia dos presos durante os atos realizados, no último domingo (8), em Brasília e no acampamento que ficava instalado em frente ao Quartel-General do Exército na capital federal.

Na quarta, o TJDFT previa que fossem realizadas 64 audiências. Nesta quinta (12), a estimativa é de que sejam feitos 213 procedimentos. Um levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) apontou que, ao todo, 1.418 pessoas seguiam presas até esta quarta.

O Tribunal de Justiça informou que as audiências são realizadas de forma virtual, das 8h às 19h, e ocorrerão também aos finais de semana.

Também nesta quarta, a Polícia Federal (PF) completou as oitivas dos detidos no ginásio da Academia Nacional da PF. A corporação informou que 684 pessoas foram soltas.

No ginásio, os detidos realizaram uma triagem e foram submetidos aos procedimentos da PF. Na sequência, eles foram apresentados à Polícia Civil do DF, responsável pelo encaminhamento dos detidos ao Instituto Médico Legal (IML) e, posteriormente, ao sistema prisional.

Leia também1 Nikolas vai ao STF contra Flávio Dino por "omissão intencional"
2 Por 9 a 2, STF mantém Ibaneis afastado do governo do DF
3 Nikolas Ferreira expõe apoio de Dino a ato que destruiu Brasília em 2017
4 Costa sobre privatizar o Porto de Santos: "Lula quer investimento"
5 Rial renuncia após achar rombo de R$ 20 bilhões nas Americanas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.