Leia também:
X Luciano Hang apoia o retorno do horário de verão no Brasil

Ives Gandra: “STF faz ativismo judicial que não se justifica”

Jurista avalia que decisões recentes do Supremo são problemáticas

Monique Mello - 31/08/2021 16h48 | atualizado em 31/08/2021 17h17

Ives Gandra critica decisões do STF Foto: Reprodução/Youtube

O jurista Ives Gandra Martins afirmou que o Supremo Tribunal Federal (STF) está praticando ativismo judicial, o que não é previsto na Constituição.

Em entrevista ao programa Direto ao Ponto, da Jovem Pan, o jurista falou sobre as últimas decisões controversas dos membros da Corte. Ele disse que, embora admire o conhecimento jurídico dos magistrados, o aparente ativismo não se justifica.

– Quando fiz minha 1ª sustentação oral na Suprema Corte, em 1962/63, três dos ministros do Supremo não tinham nascido. Eu convivi com os Supremos desde 1958. Apesar de achar que há uma mudança de posição, eu tenho admiração pelo conhecimento jurídico deles. Mas acho que estão trabalhando com o ativismo judicial, [o] que não se justifica – disse.

Gandra também afirma que, pela Constituição, nenhum poder é superior ao outro e que o STF não pode jamais legislar. Para o jurista, houve uma extrapolação de competência.

– A Constituição foi muito clara. A maioria deles não participaram do processo Constituinte. Eu fui constantemente convidado. O que nós discutimos era que não podemos ter um poder superior ao outro na Constituinte. Ao meu ver, eles passaram a invadir as competências do Legislativos e [do] Executivo. Isso eu não concordo – comentou.

Leia também1 OAB irá ao STF para impedir advogada de Bolsonaro na CPI
2 MPF recorre e pede novamente condenação de Allan dos Santos
3 Moraes ignora problemas de saúde e mantém Jefferson preso
4 STF decide que motoboy poderá faltar a depoimento na CPI
5 Filha de Jefferson detona Moraes e diz que o pai corre risco de vida

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.