Leia também:
X MTST invade shopping e critica “símbolo da desigualdade”

“Infelizmente, não temos um entendimento com a Petrobras”

Fala do presidente aconteceu durante almoço com empresários, nesta quarta

Pleno.News - 08/06/2022 15h35 | atualizado em 08/06/2022 15h44

Presidente Jair Bolsonaro Foto: PR/Alan Santos

O presidente Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira (8,) que o governo federal vai colaborar para conter a alta dos combustíveis, mas que ainda não há um “entendimento” com a Petrobras sobre a política de preços.

Durante almoço com empresários na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), no centro da capital fluminense, o chefe do Executivo repetiu que o governo pretende zerar o PIS-Cofins sobre a gasolina e o etanol.

Bolsonaro citou ainda o projeto aprovado na Câmara que limita a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis em até 17% como uma das medidas que ajudarão a conter a alta dos preços. O texto está pendente de votação no Senado, Casa que tem sido pressionada por governadores.

– Nós devemos colaborar em um momento difícil como este. Infelizmente, não temos um entendimento com a Petrobras. As grandes petrolíferas baixaram a sua margem de lucro. Aqui, se faz o contrário – afirmou o presidente.

Bolsonaro disse também que não irá interferir na política de preços da Petrobras, “como o PT interferiu”.

– Não vamos interferir na Petrobras, como o PT interferiu, lá atrás, no preço da gasolina. Não vamos interferir no preço da energia elétrica, como a Dilma interferiu – disse.

*AE

Leia também1 MTST invade shopping e critica "símbolo da desigualdade"
2 STF define data para julgar ação contra Roberto Jefferson
3 Ciro Gomes diz que Lula não tem condições de falar em corrupção
4 Tarcísio diz ser contra aborto e descriminalização das drogas
5 Bolsonaro critica o STF e defende que página do PCO "fique aberta"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.