Leia também:
X Barroso, Moraes e Fachin montam ‘artilharia pesada’ contra voto impresso

Homem que denunciou suposta propina é PM e tem 37 processos

Envolvimento de Luiz Paulo Dominghetti Pereira em supostas vendas de vacinas teria começado em fevereiro deste ano

Paulo Moura - 01/07/2021 07h53 | atualizado em 01/07/2021 14h09

Luiz Paulo Dominghetti Pereira durante a CPI da Pandemia Foto: Agência Senado/Edilson Rodrigues

Luiz Paulo Dominghetti Pereira, o homem que se apresentou como representante da Davati Medical Supply e que denunciou um suposto esquema de propina praticado pelo ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, para uma suposta aquisição de vacinas da AstraZeneca, é cabo da Polícia Militar de Minas Gerais.

A informação pode ser confirmada em acesso ao Portal da Transparência do governo mineiro, onde Dominghetti aparece como servidor ativo da corporação policial. Segundo esta, o agente trabalha no município de Alfenas, no Sul do estado.

Dominghetti Pereira é cabo da PM em Minas Gerais Foto: Reprodução

Ao jornal Folha de São Paulo, o policial militar disse que negociou com representantes do Ministério da Saúde a venda de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca e só não fechou negócio porque não concordou em pagar propina. A Davati, porém, nega que Luiz Paulo seja seu representante no Brasil.

De acordo com informações repassadas ao portal G1 por um homem que trabalhou com o policial militar tentando vender vacinas às prefeituras mineiras, o envolvimento de Dominghetti neste tipo de negócio é recente, teria começado em 2021. Segundo esse homem, nenhum contrato chegou a ser assinado.

– Eu conheci ele mais ou menos em fevereiro deste ano. Foi na época que o estado do Amazonas estava tendo aquele colapso da Covid – disse o homem que não quis se identificar.

Luiz Paulo Dominghetti Pereira é PM em Minas Gerais Foto: Reprodução

Dominghetti Pereira morou em Belo Horizonte até o fim do ano passado. A vizinhança informou que a família do PM era reservada e praticamente não tinha contato com os moradores da região. Entretanto, o dono do apartamento em que ele morava disse que Dominghetti saiu devendo quatro meses de aluguel e que ainda responde, na Justiça, a um processo de cobrança desta dívida.

Já em outro processo, o PM é acusado por uma mulher de ter comprado um carro financiado em nome dela. Além de não pagar as parcelas, o agente policial teria levado multas que estão em nome da proprietária e sumiu com o veículo, que até hoje não foi localizado. Ao todo, o nome de Dominghetti aparece em 37 processos na Justiça.

Oficialmente, a Davati negou que Luiz Paulo seja seu representante no Brasil e confirmou que não tem convênio com a AstraZeneca, mas afirmou que o policial atua como “vendedor autônomo”, sem vínculo empregatício com a empresa.

– Nesse caso, ele apenas intermediou a negociação da empresa com o governo, apresentando o senhor Roberto Dias – disse a empresa, em comunicado.

A Davati também admitiu que não tem convênio com a AstraZeneca. O laboratório responsável pela vacina afirmou que não tem empresas privadas como representantes e que só vende imunizantes contra a Covid a governos e organismos multilaterais.

A PM de Minas Gerais informou que, depois que o caso envolvendo o policial veio a público, instaurou relatório de investigação para apurar se a conduta dele fere o código de ética e disciplina da instituição. A PM disse ainda que Dominghetti trabalhou no gabinete militar do governo do estado, mas foi afastado da função por não atender ao perfil necessário de atuação no órgão.

Leia também1 Davati nega que Dominguetti seja seu representante no Brasil
2 Oposição apresenta 'superpedido de impeachment' de Bolsonaro
3 PGR: Pazuello pede investigação da atuação de senadores na CPI
4 Empresa que denunciou propina no Brasil tentou golpe no Canadá
5 Mourão diz que não há espaço para impeachment de Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.