Leia também:
X Secretaria de Saúde anuncia vacinação contra a febre amarela

Heleno nega intervenção militar no novo governo

Futuro ministro da Defesa explica que escolha de militares trata-se de uma "coerência de aproveitamento"

Pleno.News - 05/11/2018 19h38

General Augusto Heleno afirma que novo presidente não pensa em intervenção militar Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O general Augusto Heleno Ribeiro Pereira negou nesta segunda-feira (5) uma possível intervenção militar no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. As especulações surgiram pela nomeação de integrantes das Forças Armadas para a equipe de transição.

– O país resolveu aproveitar tudo o que investe na formação. É uma questão de coerência de aproveitamento do que foi investido nos militares, que nós possamos participar da vida pública. Não tem nada a ver com governo militar, ninguém está pensando em intervenção militar, ninguém está pensando em autoritarismo, é uma aproveitamento de gente que o país não estava acostumado a aproveitar. Pouca gente conhece o Brasil como nós – declarou o ministro da Defesa nomeado por Bolsonaro à Agência Brasil.

Em relação à nomeação do juiz Sérgio Mouro para o Superministério da Justiça, Heleno classificou a escolha como “um gol de bicicleta do meio de campo”. Questionado sobre a ação das Forças Armadas na crise migratória da Venezuela, o general do Exército disse que medidas humanitárias serão tomadas. O fechamento da fronteira com o Brasil está fora de cogitação.

– As Forças Armadas estão sendo empenhadas no atendimento humanitário. A gente está acolhendo quem está resolvendo passar a fronteira para o lado do Brasil. É um trabalho difícil, a quantidade de migrantes é acima da capacidade de Roraima.

Leia também1 Lobão defende Magno Malta no governo de Bolsonaro
2 Onyx divulga conselho de transição de Bolsonaro
3 Bolsonaro dará carta branca a Moro e não vai mexer na CPMF

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.