Leia também:
X “Brasil é o país que mais preserva o seu meio ambiente”

Heleno expõe erro de Cármen Lúcia em ação sobre Amazônia

Ministra pediu esclarecimentos sobre presença das Forças Armadas na região

Gabriela Doria - 05/09/2020 15h47 | atualizado em 05/09/2020 16h04

General Augusto Heleno questionou decisão da ministra Cármen Lúcia Foto: Câmara dos Deputados/Gilmar Félix

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, questionou uma decisão da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal. Em seu Twitter, o general criticou o pedido da ministra para que o governo explique a presença das Forças Armadas no combate ao desmatamento na Amazônia.

– A ministra Cármen Lúcia, do STF, acolheu ação de um partido político e determinou que o presidente e o ministro da Defesa expliquem o uso das Forças Armadas, na Amazônia. Perdão, cara ministra, se a sra. conhecesse essa área, sabe qual seria sua pergunta: ‘O que seria da Amazônia sem as Forças Armadas?’ – disse o ministro.

Em um despacho, Cármen Lúcia determinou que o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, esclareçam o uso das Forças Armadas em áreas fronteiriças, em terras indígenas e áreas federais de proteção ambiental nos estados que compõem a Amazônia Legal.

A decisão atende a um pedido do Partido Verde que quer anular um decreto de Bosonaro e uma portaria do Ministério da Defesa que autorizam o uso das Forças Armadas para garantir a lei a ordem na região, com ações preventivas e repressivas para coibir crimes ambientais e combater focos de incêndio.

Leia também1 "Brasil é o país que mais preserva o seu meio ambiente"
2 Adrilles rebate Fernanda sobre "perseguição" a artistas
3 Bolsonaro: Estados e cidades têm "ditadores nanicos"
4 Gusttavo Lima adere a movimento por volta de shows
5 Mario Frias chama Adnet de 'garoto frouxo' após paródia

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.