Leia também:
X Malafaia critica pesquisa que dá vitória a Lula: ‘Já vi esse filme’

Hang ironiza possível nova CPI da Covid: ‘Novela mexicana’

O empresário afirmou que opositores do governo "só querem palco para causar barulho"

Henrique Gimenes - 12/01/2022 17h40 | atualizado em 12/01/2022 18h11

Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan Foto: Divulgação/Havan

Diante da ideia de senadores de recriarem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, ironizou a iniciativa. Em suas redes sociais, o empresário perguntou se uma nova temporada iria “estar disponível na Netflix” e disse aceitaria ser chamado novamente para essa “novela”.

A ideia foi discutida entre os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Renan Calheiros (MDB-AL). A intenção é que o colegiado funcione como uma extensão da primeira CPI e investigue “novos fatos”, como o “apagão de dados do Ministério da Saúde, a negligência e a sabotagem à vacinação de crianças e a perseguição aos servidores da Anvisa”.

Ao comentar a ideia, Hang apontou que a CPI da Covid não trouxe benefícios para o combate à pandemia.

– Infelizmente, só querem palco para causar barulho, realizar acusações infundadas e gastar dinheiro público. A primeira temporada da CPI durou seis meses e qual benefício trouxe para o combate à pandemia? Desde o início, tenho dito que o nosso único inimigo é o vírus, mas alguns não entendem isso – ressaltou.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Luciano Hang (@lucianohangbr)

Leia também1 Malafaia critica pesquisa que dá vitória a Lula: 'Já vi esse filme'
2 Bolsonaro não irá à posse de presidente de esquerda no Chile
3 'Bolsonaro nunca defendeu o combate à corrupção', diz Moro
4 Eduardo rebate venezuelano que criticou Jair Bolsonaro
5 Bolsonaro cobra 'antídoto' da Anvisa para efeitos colaterais da vacina para crianças

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.