Leia também:
X MG: Homem é preso suspeito de estuprar a própria mãe

Governo diz analisar todas as vacinas em estudos avançados

Informação foi dada pelo Ministério da Saúde

Pleno.News - 09/11/2020 17h21 | atualizado em 09/11/2020 21h25

Ministério da Saúde diz que analisa todas as vacinas em estudos avançados Foto: Reprodução

O Ministério da Saúde mantém negociações com a farmacêutica Pfizer, além de outras produtoras de vacina contra a Covid-19. O imunizante da Pfizer apresentou eficácia de mais de 90%, conforme uma análise preliminar divulgada nesta segunda-feira (9).

A droga está em fase final de testes e precisa de aval de agências sanitárias, como a brasileira Anvisa, para chegar à população. Em nota, o ministério disse que “todas as vacinas com estudos avançados no mundo estão sendo analisadas, inclusive a do laboratório Pfizer”.

– Atualmente, o Ministério acompanha cerca de 254 pesquisas, algumas com testes já bem avançados. Todas as apostas necessárias serão feitas para achar uma solução efetiva, em qualidade e quantidade necessárias para imunizar a população brasileira – informou o ministério.

O discurso no ministério é de que o governo comprará a primeira vacina segura que chegar ao mercado.

O governo brasileiro fechou contrato para compra de 100 milhões de doses do imunizante feito pela AstraZeneca/Oxford. Em outra frente de atuação para encontrar uma vacina, o Brasil espera receber doses para 10% da população por meio do consórcio Covax Facility, liderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo fontes da Saúde, além das doses já encomendadas da AstraZeneca/Oxford, caso outra vacina também seja considerada confiável, a ideia é comprá-la por meio de um contrato direto com a desenvolvedora ou por meio do consórcio internacional.

Nos últimos meses, o ministério recebeu diversas produtoras de vacina, como os desenvolvedores russos da Sputnik V, a Pfizer e representantes da Sinovac.

O governo federal investiu cerca de R$ 2 bilhões para viabilizar a compra do produto da AstraZeneca/Oxford, além da produção da droga no Brasil, que exigiu adequações em laboratórios da Fiocruz. Já o custo para entrar no Covax Facility foi de R$ 2,5 bilhões.

Uma autoridade de saúde que acompanha discussões do consórcio afirmou, em caráter reservado, que um edital deve ser lançado em breve para que empresas informem quantas doses conseguem produzir e em qual período. A ideia é que o portfólio fique à disposição dos países que integram o grupo e permita o acesso às vacinas mesmo a países mais pobres.

*Estadão

Leia também1 Covid: Rússia diz que sua vacina tem "mais de 90%" de eficácia
2 120 mil doses da Coronavac chegam em 20 de novembro
3 Bolsonaro recusa documento de apoiador por segurança
4 OMS: Tedros diz que vacina não resolverá vulnerabilidades
5 Pfizer e BioNTech dizem que vacina se mostrou 90% eficaz

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.