Leia também:
X Lula e FHC assinam nota em defesa do presidente argentino

Governador do AM pede reforço da Força Nacional após ataques

Wilson Lima justificou que solicitação é devido à escalada de violência vivida no estado desde a madrugada de domingo

Paulo Moura - 07/06/2021 11h32 | atualizado em 07/06/2021 13h37

Governador do Amazonas, Wilson Lima Foto: Divulgação/Secom

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), pediu ao Ministério da Justiça e Segurança Pública o envio da Força Nacional ao estado com urgência. Em ofício apresentado na noite de domingo (6), Lima justificou o pedido com base no “grande clima de tensão vivido nas últimas 24 horas pela população do estado”.

O governador disse à rede CNN Brasil que conversou por telefone com o ministro da Justiça, Anderson Torres. O ministro, por sua vez, afirmou que realiza reunião nesta manhã para decidir se o envio das tropas é a melhor saída

– É necessário o reestabelecimento da ordem no Amazonas. Iremos ajudar – ressaltou Torres.

O estado tem sofrido com uma série de ataques violentos promovidos por criminosos em retaliação à morte de um traficante de drogas durante uma operação policial. Diversos prédios foram invadidos por pessoas armadas e também incendiados, como bancos, escolas, postos de saúde e delegacias de polícia.

O governo do Amazonas ainda não solicitou ao governo federal a transferência de presos para presídios federais. De acordo com Wilson Lima, o servidor de inteligência do estado “não detectou nenhum indício de que a ordem tenha partido dos presídios”.

Leia também1 Criança de 11 anos é apreendida por participar de ataques no AM
2 Em meio a ataques, Manaus tem nova manhã sem transporte
3 Em Manaus, 14 são presos suspeitos de ataques criminosos
4 Agência bancária é incendiada em dia de atentados em Manaus
5 Manaus amanhece com pelo menos 17 veículos incendiados

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.