Leia também:
X À Justiça, Inep diz que suposta interferência no Enem é ‘ilação’

Gilmar e Lewandowski votam por desbloquear bens de Lula

Julgamento sobre o desbloqueio ocorre na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal

Henrique Gimenes - 19/11/2021 21h42 | atualizado em 19/11/2021 21h52

Ex-presidente Lula Foto: Marlene Bergamo/Folhapress

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) retomou, nesta sexta-feira (19), a votação de um pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que os bens do petista sejam desbloqueados. E os ministros Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes votaram pelo desbloqueio dos bens, levando o placar a ficar em 2 a 1 a favor do petista.

A análise está acontecendo por meio do plenário virtual e deve acabar no dia 26 de novembro. Ainda falta o voto do ministro Nunes Marques, já que a Segunda Turma está desfalcada após a aposentadoria de Marco Aurélio Mello e o pedido de transferência de Cármen Lúcia para a 1ª Turma.

Caso Nunes Marques vote com o relator, o placar ficará empatado, sendo definido apenas após a entrada do novo ministro no Supremo Tribunal Federal (STF).

Os advogados de Lula recorreram à Suprema Corte depois que o juiz Luiz Antônio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, manteve o bloqueio do patrimônio de investigados nos processos relacionados ao triplex do Guarujá, ao sítio de Atibaia e ao Instituto Lula, mesmo após o envio das ações ao Distrito Federal.

A defesa de Lula alega que o juiz não poderia manter os bloqueios, visto que o STF reconheceu a incompetência da Justiça Federal do Paraná para julgar os processos do ex-presidente. Porém, para a subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, a decisão do ministro Fachin invalidou os atos da Justiça do Paraná somente nas ações penais, sem menção às medidas cautelares.

A votação do pedido que pode resultar no desbloqueio dos bens começou em 6 de agosto deste ano com o voto do relator, o ministro Edson Fachin, que rejeitou a solicitação feita pela defesa do petista. Dez dias depois, em 16 de agosto, o ministro Ricardo Lewandowski pediu vista, o que suspendeu o processo. No dia 8 de novembro, Lewandowski devolveu o processo para julgamento, o que permitiu a retomada da votação.

Leia também1 Bolsonaro: "Lula não pode ir na esquina tomar uma branquinha"
2 Lula e premiê espanhol tratam do "avanço da extrema-direita"
3 Em clima de pré-campanha, José de Abreu lança autobiografia
4 Justiça arquiva inquérito contra filhos de Lula por sonegação
5 Na Europa, Lula fala em 'ter que regulamentar as redes sociais'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.