Leia também:
X Bolsonaro compara restrições de governadores a estado de sítio

Frota quer criminalizar festas clandestinas na pandemia

Proposta inclui até seis anos de pena e multa de R$ 100 mil a R$ 500 mil

Thamirys Andrade - 19/03/2021 11h48 | atualizado em 19/03/2021 12h06

Parlamentar criou força-tarefa contra eventos que violam os protocolos sanitários Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) apresentou ao Congresso Nacional um projeto de lei que criminaliza festas clandestinas em meio à pandemia de Covid-19. Sua proposta inclui até seis anos de pena para o realizador do evento, além de multa que varia de R$ 100 mil a R$ 500 mil.

– As festas clandestinas são uma grande fonte de propagação e disseminação da Covid-19. Nessas festas, os frequentadores pouco ou nada se preocupam em se proteger. Música em volume elevado, bebidas, aproximação entre pessoas e quiçá até consumo de drogas ilícitas tornam estes ambientes mais permissivos em relação a outros – diz o deputado.

Na última segunda-feira (8), o parlamentar revelou já ter recebido cerca de 2 mil denúncias de festas clandestinas realizadas durante a segunda onda da pandemia. Como resultado, o deputado criou uma frente em seu gabinete que recebe informações da população e encaminha à polícia e ao Ministério Público de São Paulo.

Apenas no último fim de semana, o grupo fechou mais de 70 festas, incluindo a que ocorria em cassino clandestino na Vila Olímpia, onde se encontrava um total de 200 pessoas, entre elas o jogador Gabigol e o cantor MC Gui.

Leia também1 Bolsonaro prepara PL que define todo trabalho como essencial
2 Lula diz que Brasil "merece coisa melhor" que Bolsonaro
3 Daniel Silveira pede a Moraes autorização para dar entrevista
4 Governo publica MP que recria o programa Auxílio Emergencial
5 Lockdown: Deslocamento de pessoas será restrito no Amapá

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.