Leia também:
X Monark elogia Jair Bolsonaro por vetar fundão de R$ 5,7 bilhões

FHC não vê perigo à democracia com Lula ou com Bolsonaro

Ex-presidente disse esperar que o país tenha uma "eleição normal" em 2022

Pleno.News - 22/08/2021 21h12 | atualizado em 23/08/2021 11h35

Fernando Henrique Cardoso visitando Lula Foto: Instituto Lula/Ricardo Stuckert

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou que não vê riscos à democracia no Brasil nem com a permanência de Jair Bolsonaro na Presidência nem com um eventual retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Planalto. Ele disse esperar ainda que o país tenha uma “eleição normal” em 2022.

FHC participou, neste domingo (22), de live do grupo Parlatório, com curadoria do ex-presidente Michel Temer (MDB).

Segundo FHC, Lula tem compromisso com a democracia. Quanto a Bolsonaro, FHC disse que não gosta do estilo por vezes agressivo do presidente, apesar de não conhecê-lo. Disse também que o Brasil precisa de alguém que “una, não que separe”. Mas ponderou que, mesmo que o atual presidente venha a ter impulsos autoritários, não estão postas as condições no país para seguir com um movimento que coloque as instituições em perigo.

– Pintar Lula como perigo vermelho é um erro. Primeiro porque ele não é. Lula não é risco para a democracia. Eu não vou votar no Lula por várias razões. A primeira é porque tenho partido. E tem que ser uma pessoa que tenha compromisso com a democracia. Ele tem, mas não o suficiente, porque têm setores no partido mais radicalizados – apontou FHC.

Fernando Henrique Cardoso destacou que a expressão “terceira via” é ruim, mas reforçou que o país precisa de alguém que simbolize a pluralidade.

– Lula não simboliza a pluralidade, mas nunca vai contra o conjunto. É um coração mais brasileiro. Tem a marca do sindicalismo. Gostaria que não tivesse. Mas cada um tem a sua marca.

Em relação à preocupação de possível insubordinação na Polícia Militar em um apoio a eventuais arroubos antidemocráticos, FHC respondeu que não acha que é o caso atual, mas, se ocorrer algum indício, os governadores têm de agir, com a Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

– Não acho que é o caso atual, mas não significa que devemos fechar os olhos – destacou FHC.

Hoje, o Estadão mostrou que ex-presidentes, dentre eles FHC e Temer, estão conversando com contatos militares, e todos afastaram a hipótese de Bolsonaro contar com a insubordinação das Forças Armadas.

*AE

Leia também1 Monark elogia Jair Bolsonaro por vetar fundão de R$ 5,7 bilhões
2 Paulista ficará com apoiadores de Bolsonaro em 7 de Setembro
3 Presidente da Ceagesp convoca PMs para atos de 7 de Setembro
4 Seis partidos divulgam nota de apoio ao STF e a Moraes
5 OAB fará um parecer contrário ao impeachment de Moraes

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.