Leia também:
X No RJ, Bolsonaro é visto no ponto de ônibus, e Eduardo Paes reage

Evangélicos afirmam que não há votos para legalizar jogos de azar

Câmara pode votar nesta segunda-feira um requerimento de urgência sobre um PL referente ao tema

Henrique Gimenes - 13/12/2021 14h49 | atualizado em 13/12/2021 15h43

Deputado Sóstenes Cavalcante Foto: Câmara dos Deputados/Will Shutter

Nesta segunda-feira (13), o deputado federal Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ) falou sobre o Projeto de Lei (PL) que legaliza os jogos de azar no Brasil e disse que a medida “jamais” será aprovada pela Câmara dos Deputados. Um requerimento de urgência sobre a proposta deve ser votado na Casa nesta segunda.

O PL que legaliza jogos de azar no país está parado na Câmara há 30 anos. Já o requerimento de urgência está há 5 anos esperando para ser colocado em votação A ideia do Projeto de Lei (PL) 442/1991 é regulamentar bingos, cassinos, caça-níqueis, jogo do bicho, apostas e outros.

Ao portal Uol, Sóstenes afirmou que o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), não possui votos para aprovar “essa aberração”.

– Não tem votos para aprovar essa aberração, que só tem como finalidade maior a lavagem de dinheiro – apontou.

Outro religioso que criticou a ideia foi o pastor Silas Malafaia. Em um vídeo publicado em suas redes sociais, ele afirmou que a medida causa “danos sociais”.

– Vem agora o Arthur Lira, no apagar das luzes, querer aprovar esse lixo? Isso é uma vergonha […] Isso não é questão de que os religiosos são contra [por causa dos] seus princípios. Isso é a desgraça social […] Não beneficia em nada a economia do país – destacou.

 

Leia também1 Câmara irá analisar urgência para votar PL de jogos de azar
2 Porta dos Fundos: Especial de Natal é alvo de moção de repúdio
3 'Não preciso ver Porta dos Fundos pra saber que não presta'
4 Saiba quais foram as coisas mais pesquisadas no Google em 2021
5 'Novo Lázaro' diz não saber por que matou bebê a facadas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.