CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Agente diz como está situação carcerária vista de dentro

Ernesto Araújo ataca OMS e denuncia “comunavírus”

"O comunismo encontrou no coronavírus um tesouro de opressão", declarou o chanceler

Rafael Ramos - 22/04/2020 12h54 | atualizado em 22/04/2020 14h16

Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo Foto: EFE/PETE MAROVICH

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, defendeu, nesta quarta-feira (22), a ideia de que a pandemia de coronavírus, responsável por quase 180 mil mortes em todo o mundo, pode fazer parte de um “projeto globalista” que é o “novo caminho do comunismo”.

Em texto publicado em seu blog pessoal, Ernesto afirma que tal projeto “já se vinha executando por meio do climatismo ou alarmismo climático, da ideologia de gênero, do dogmatismo politicamente correto, do imigracionismo, do racialismo ou reorganização da sociedade pelo princípio da raça, do antinacionalismo, do cientificismo”.

– São instrumentos eficientes, mas a pandemia, colocando indivíduos e sociedades diante do pânico da morte iminente, representa a exponencialização de todos eles.

De acordo com o ministro, o “comunavírus”, “vírus ideológico” que se sobrepõe ao coronavírus, faz “despertar para o pesadelo comunista”. Analisando um livro escrito pelo filósofo e psicanalista esloveno Slavoj Zizek, o líder do Itamaraty questiona entidades internacionais como a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para o ministro, “transferir poderes” à entidade internacional esperando que ela seja mais “eficiente para lidar com os problemas do que os países agindo individualmente” é um pretexto “jamais comprovado” e “o primeiro passo na construção da solidariedade comunista planetária”.

Para o chanceler brasileiro, “o globalismo substitui o socialismo como estágio preparatório ao comunismo” e Zizek vê na pandemia de coronavírus a “oportunidade de construir uma ordem mundial sem nações e sem liberdade”.
Citando uma afirmação do filósofo esloveno em que o autor afirma que os nazistas fizeram um “péssimo uso” do lema “o trabalho liberta”, gravado em alemão na porta do campo de concentração de Auschwitz, Ernesto afirma que “o nazista é um comunista que não se deu ao trabalho de enganar as suas vítimas”.

– Aqueles que ainda não acreditam que o nazismo é simplesmente um desvio de rota da utopia comunista, e não o seu oposto, encontrarão na obra de Zizek talvez um importante elemento de reflexão.

Ernesto afirma ainda, em seu texto, que a esquerda aproveita o momento de fragilidade gerado pela pandemia para “sequestrar e perverter” o conceito de solidariedade “para servir aos seus propósitos liberticidas”.

– Já fizeram ou tentaram fazer o mesmo com os conceitos de justiça, tolerância, direitos humanos, com o próprio conceito de liberdade.

Ernesto faz a defesa de tópicos do presidente Jair Bolsonaro na gestão da pandemia, como o relaxamento das medidas de contenção do novo coronavírus. Segundo o ministro, “a destruição dos empregos que permitem a sobrevivência digna e minimamente autônoma de milhões e milhões de pessoas” faz parte de um projeto de “emancipação comunista”. Ele também defende que “o politicamente correto” incorporou o “sanitariamente correto”, que além de “mais poderoso”, “agarra”, “algema” e “ameaça”.

– Controlar a linguagem para matar o espírito, eis a essência do comunismo atual, esse comunismo que de repente encontrou no coronavírus um tesouro de opressão – escreveu o ministro.

* Folhapress

Leia também1 Covid: Quarentena derruba arrecadação federal em 3,3%
2 PT pede proibição a Bolsonaro de recomendar cloroquina
3 Cabrini: "Quando vão pedir desculpas pelo carnaval?"

Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo