Leia também:
X Tebet aciona TSE para remover propaganda com Michelle

Entidades querem clubes de tiro fechados no dia de votação

Movimento reúne 200 entidades da sociedade civil, segundo o Blog do Noblat

Pleno.News - 31/08/2022 11h54 | atualizado em 31/08/2022 12h35

Urna eletrônica Foto: TSE/Secom/Antonio Augusto

O porte de armas de fogo não será permitido nos dias das eleições deste ano. Qualquer civil que for pego armado em um raio de 100 metros das seções eleitorais vai responder por crime eleitoral. O martelo foi batido de forma unânime pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta terça-feira (30).

A restrição começa a valer 48 horas antes das eleições, termina após 24 horas da votação e vale para todos os Tribunas Regionais Eleitorais, tanto no primeiro quanto no segundo turno. A exceção é para integrantes das Forças de Segurança em serviço e com anuência e demanda de entidade eleitoral.

O movimento Coalizão em Defesa do Sistema Eleitoral quer o fechamento dos clubes de tiro, em todo o país, nos dias de votação. O movimento reúne 200 entidades da sociedade civil. As informações são do Blog do Noblat, do portal Metrópoles.

Na terça-feira (30), representantes dessas entidades e do TSE debateram o assunto durante uma audiência pública realizada na Comissão de Legislação Participativa da Câmara.

O deputado Pedro Uczai (PT-SC), presidente da comissão, planeja fazer uma reunião com as entidades e o ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE, bem como com o Ministério da Justiça para pedir medidas de proteção aos mesários e quem mais trabalhar nos dias de votação.

Leia também1 Tebet aciona TSE para remover propaganda com Michelle
2 Paraná Pesquisas aponta Lula e Bolsonaro com empate técnico
3 Programa do Ratinho vai fazer sabatina com presidenciáveis
4 Thronicke declara patrimônio 78 vezes maior que em 2018
5 Pesquisa: Avaliação positiva do governo sobe pela 2ª vez seguida

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.